André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

O presidente da República vetou uma série de dispositivos da Lei 14021/2020, que dispõe sobre medidas de proteção social para prevenir a propagação do coronavírus em territórios indígenas e comunidades quilombolas.

Operações racistas nas favelas

O combate ao tráfico de drogas é a justificativa do sistema penal para entrar matando nas regiões onde vivem há décadas e séculos negros e pobres. Uma planta, a maconha, e um pó, a cocaína, são as mercadorias tornadas ilícitas.

Bolsonaro evapora

Cresci ouvindo dizer que água não se nega. Agora, o Congresso Nacional e o Presidente da República querem negar água às pessoas mais pobres do Brasil. Sabemos que milhões sobrevivem na miséria sem saneamento básico nem água encanada. O capital privado quer se apropriar da água que vem do céu, da via láctea, do universo.

Bolsonaro é o coveiro do Brasil

Em 20 de abril de 2020, quando o Brasil registrava 2575 mortes e 40581 contaminados pelo coronavírus, ao ter sido indagado acerca desses dados, Bolsonaro respondeu: “não sou coveiro”.

Bolsonaro é pulsão de morte

Ao contrário dos torturadores que não confessam publicamente as milhares de pessoas que sofreram em suas mãos covardes por dias, semanas e meses, o Presidente da República, sem vergonha, sempre defendeu publicamente esses crimes contra a humanidade.

Artigo 142 da Carta Política do Brasil

Após um dos filhos “zero” dizer que “para fechar o STF basta um soldado e um cabo”, o pai afirma que para tomar o país basta o artigo 142 da Constituição Federal. Além de presidente da República, ele quer ser também presidente da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal.

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

A reunião ministerial de Bolsonaro, realizada um dia após a data do enforcamento de Tiradentes, foi um encontro de trabalho para traçar os planos macabros de seu governo. Ali, ficou bem nítido que a estratégia é aproveitar ao máximo a pandemia do coronavírus no Brasil para atacar seus inimigos: índios, quilombolas, todo o povo brasileiro.

João Pedro foi assassinado pelo Estado

Assassinar crianças negras é uma política de Estado no Rio de Janeiro, cidade com a maior população do mundo degredada e escravizada da África para o Brasil.

Bolsonaro é suicídio coletivo

Precisamos unir brasileiras e brasileiros em indignação geral da nação para tirar Bolsonaro da Presidência da República. Ele tem plena consciência de que o coronavírus é altamente contagioso e letal, em diversas cidades não há mais vagas nas UTIs, o colapso já chegou aos cemitérios e estamos alcançando o momento de pico da doença.

Manifestação contra manifestação

O trecho da declaração do Ministro de Estado das Forças Armadas, publicada em 4 de maio de 2020, defendendo que a manifestação de Bolsonaro está garantida pela Constituição Federal constituída pelo Estado Democrático de Direito, data máxima vênia, é uma aberração e merece ser destacada.