Eu não tenho mandato, nem vontade para defender Regina Duarte. Reconheço o direito de quem queira ser de direita, mas ela foi longe demais nesse flerte recente com a demência e a necrofilia. Além de se queimar com quem ainda lhe rendia respeito entre os artistas e de se expor gratuitamente ao delinquente “gabinete do ódio”, Regina está sendo massacrada publicamente pelo próprio presidente.

Na manhã de hoje, Bolsonaro postou uma nota intitulada “Mário Frias e a Cultura”, com uma entrevista do ator à CNN Brasil em que ele diz: “pro Jair, cara, o que ele precisar eu tô aqui. Eu torço demais pra Regina, eu sou fã dela, mas pelo Brasil eu tô aqui, o que for preciso. Respeito o Jair demais, vejo o Brasil com chance de finalmente ser respeitado”. Uma armação ilimitada!

O presidente conseguiu outro ator disposto a lhe ceder mais sangue depois de tudo o que já aprontou. O que ele está fazendo com a Regina não é a habitual fritura, porém, mas uma impiedosa tritura do que restou da namoradinha do Brasil. Ela tomou posse no cargo de Secretária Nacional de Cultura em 03/03, mas em 27/04 Bolsonaro já dizia: “infelizmente a Regina está em São Paulo, trabalhando pela internet ali. Eu quero é que ela esteja mais próxima. Ela é uma excelente pessoa, um bom quadro. (Tem) muita gente de esquerda pregando ideologia de gênero, essas coisas todas que a massa da população não admite. E ela tem dificuldade nesse sentido”.

Essa declaração do presidente já refletia o que a coluna de Bela Megale, no Globo, revelaria dias depois: que aliados de Bolsonaro produziram um dossiê contra Regina Duarte, já em poder dos seus filhos, relatando o que seriam, na visão dos bolsonaristas, ações ideologicamente impróprias da secretária, dentro e fora da pasta. Regina já havia sido administrativamente desautorizada com a nomeação/demissão de um maestro alucinado como presidente da Funarte, do que resultou a imposição de um superintendente fundamentalista para a Fundação, que deve se dedicar à preparação de dossiês.

Mas parece que a Regina não percebe a tritura vil dedicada a ela. Sexta passada, ela ainda caçava fantasmas: “estou sendo vítima da ‘infodemia’: Matérias tendenciosas, maldosas, venenosas. Mas posso garantir que tudo nessa pandemia vai passar. Em breve vocês poderão ver os resultados da Cultura que quero pro meu país acontecendo, sob minha gestão. Não vou rebater os absurdos lançados contra mim, estou trabalhando muito E vou mostrar serviço!”.

A fila vai andar. A postagem presidencial é para a Regina entender que o veneno que a humilha verte da boca do presidente. Ele não se importa com a nação doente, que deveria governar. Nem mesmo com aqueles que, de boa fé, votaram nele achando menos pior. Bolsonaro tem compromisso com a própria loucura e com a respectiva deterioração genética. Ele destrói qualquer outro tecido vivo para se realizar com o fetiche da sua própria destruição.

Regina, cai fora! Manda por WhatsApp o seu pedido de exoneração ao presidente, para evitar contaminação.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Gabriel RG

A cruzada do fundamentalismo capitalista contra a ciência

Ana Claudino

Seu silêncio não vai proteger você

Amara Moira

Manifestações em tempos de pandemia

Marielle Ramires

Democracia com luta, ou não haverá

Colunista NINJA

Vivemos também uma pandemia de horror

Carina Vitral

Combater o fascismo é uma emergência

SOM.VC

CALL CENTER - Encontros Webnaries Performance and Música

Randolfe Rodrigues

Liberdade de imprensa é valor inalienável da sociedade civil

Dríade Aguiar

O que deveríamos estar fazendo no "Blackout Tuesday"

Fred Maia

Quando a montanha pariu um monstro

André Barros

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal

Talles Lopes

É pior do que parece…