Moda é essencialmente um instrumento político, que pode tornar o mundo melhor. Como sociedade, estamos sempre em transição, construindo caminhos.

Momento maravilhoso do final do desfile do estilista Ronaldo Fraga na SPFW46, que propõe o amor como base pra relações humanas bem construídas [Imagem Renan Gaspar]

Hoje mesmo, um consumidor pra ser considerado antenado/moderno, tem que ter consciência dos valores agregados a um produto e saber apreciar a sua história e o conceito da sua criação. Um criador de moda contemporâneo pra ser “vendável”, tem que desenvolver a sua marca com identidade.

Isso quer dizer que o seu trabalho deve conter sua história, sua cultura, sua relação com o meio ambiente e as cores dos seus sonhos.

Criação politizada da marca LED, do estilista Célio Dias, desfilada na SPFW46 [Imagem Marcelo Soubhia/Fotosite]

E por falar em cores, tem gente por aí achando que a cor vermelha será oficialmente banida do Brasil. Grito que nunca!!!!!! E sabe por quê?

O vermelho é a cor da nossa devoção; é exatamente o significado do nome do Brasil, que vem da brasa, do Pau-brasil. O mundo da moda retrata a evolução de um povo. Somos vermelhos na nossa essência, e verdes e amarelos, e azuis, e pretos, amarelos, rosas e todas as cores e tons que quisermos. Usamos e usaremos vermelho em nossos corpos e criações. Ontem, hoje e sempre.

Nós brasileiros somos gigantes, criativos. Temos a capacidade de reinventar nossa própria sobrevivência, reaprender a subsistir. Mas contra leis que regem nosso País não fomos, não podemos, não queremos, e não seremos.

Somos vermelhos. E multicolores. Criação com pegada sustentável da marca Osklen, desfilada na SPFW46 [Imagem Zé Takahashi/Fotosite]

Já reparou que quando o País se apresenta no exterior, o principal chamariz “marketeiro” é sua cultura popular? Sim, a cadeia criativa é o que nos movimenta economicamente. Nos anúncios vendem também a nossa natureza “exuberante”. E o que seria do Brasil sem o poder da sua natureza? Andam matando nossos ativistas, e andam dizendo que nossos índios não terão mais suas poucas terras, e que nossos negros não valem nada. Os heróis ativistas ambientais são os que nos defendem de nós mesmos, porque uma grande parcela de nós acha que é superior à natureza, e a despreza, e a consome absurdamente, sem se dar conta de que somos totalmente dependentes dela, e que somos todos uma mesma estrutura viva, dividindo o mesmo espaço, finito.

Nossos indígenas são os verdadeiros donos do Brasil. Os negros do Brasil construíram com suas mãos tudo o que existe de melhor na nossa terra. Mulheres devem ser totalmente respeitadas, pessoas indefesas protegidas, doentes assessorados e necessitados acolhidos. Isso sim é legítimo. E também é legítimo o acesso irrestrito a informações verdadeiras, e a liberdade de escolhas. Trocas sociais humanizadas são indispensáveis à vida.

Liberdade de expressão é legítima, mas não existe justiça na intolerância, no sexismo, na xenofobia, na violência física e emocional, na ruptura de direitos humanos, na incitação à homofobia, no racismo.

Vermelho é a cor da nossa pátria. Criação trabalhada com bordados feitos à mão, da marca Patricia Viera, desfilada na SPFW46 [Imagem Zé Takahashi/Fotosite]

Nós todos temos que ter a responsabilidade de conhecer de onde vêm os nossos sentimentos. Vivemos um momento político gravíssimo, e eu te pergunto: com qual mundo você está conectado? Qual é o seu estilo? Quem e o que você defende? O que você quer encontrar/deixar no seu caminho, flores ou sangue?

Na boa, te convido a seguirmos juntos e fortes nessa fascinante busca por nós mesmos, concentrados em nossos próprios pensamentos, conhecedores do passado e voltados pro futuro livre e democrático.

Que o nosso amor grite mais alto nas urnas no próximo dia 28, pois ou avançamos como um todo, ou ninguém existirá verdadeiramente. Somos um.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal