Foto: Reprodução

Todas as mulheres do mundo! Lembram da “legitima defesa da honra” base de inúmeros casos que inocentaram homens acusados de feminicídio? Está de volta com o nome de “crime contra a dignidade sexual”, proposta de um deputado oportunista que surfa no caso Neymar/Najila que protocolou um projeto de lei batizado de “Neymar da Penha”! Como se pudesse haver simetria ou comparação entre as violências estruturantes e seculares cometidas pelos homens contra as mulheres e vice-versa! Não há!

Independente dos fatos e do que se possa concluir do caso Neymar/Najila os comentários nas redes e na mídia fazem emergir todo o machismo, o preconceito e visões de mundo assustadoras em torno da machocracia. Não custa lembrar que, independente do caso:

1. Se o homem pagou (a passagem para Paris, o jantar, o motel, o Uber ou a cerveja) não ganha direito a sexo, ainda mais sem consentimento!

2. Se a mulher aceitou um encontro sexual, pago ou não, não tem que se submeter a qualquer humilhação ou violência. Pode ser a namorada, esposa, a amante, a ficante, o crush, a tinder, a puta. Pode mudar de ideia e dizer simplesmente: não!

3. “A mulher que acusa Neymar de estupro” tem nome Najila Trindade, o nome não aparece nas manchetes e muito menos nos comentários em que vira: “a mulher que acusa Neymar”, a vadia, a oportunista, a vagabunda, a puta, etc,

4. Divulgar imagens íntimas de alguém nas redes é crime! Não tem justificativa.

5. O corporativismo masculino (e a machocracia de mães, irmãs, amigas e outras mulheres) não admite que um cara rico, famoso e mimando pela mídia possa ser colocado em questão ou suspeição nem por um minuto.

6. Na dúvida, a mulher é a culpada! Pouco importa seu desfecho, o mais terrível é o estrago no imaginário, quando se abre o esgoto público de discursos odiosos e assimétricos contra todas as mulheres do mundo!

A violência simbólica e real nas redes é maior e mais assustadora que qualquer coisa! Ultrapassa e extrapola o próprio caso em questão. Uma turba que quer uma válvula de escape para uma regressão vingativa diante da relativização de um poder que os homens sempre detiveram: dispor dos corpos e da reputação das mulheres.

Narciso acha feio o espelho!

.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império