Foto: Mídia NINJA

O mercado ilegal de alguns produtos é chamado tráfico de drogas. O cigarro, a cerveja e o açúcar são produtos legais e cada um tem o seu mercado. Embora seja ilegal, a maconha também tem o seu mercado. Cada um deles tem sua cadeia produtiva: fabricação, distribuição, atacado e varejo.

O mercado de um produto legal é protegido pela Lei 12529/2011, que estrutura o Sistema Brasileiro da Concorrência. Esse sistema serve como polícia do mercado, a fim de prevenir e reprimir as infrações contra a ordem econômica e os abusos do poder econômico em defesa da livre iniciativa e dos consumidores. Se uma empresa vende seu produto abaixo do preço de custo para quebrar seus concorrentes e ficar com o monopólio desse mercado, estará realizando uma prática infrativa ao mercado e deve ser julgada pelo Tribunal Administrativo de Defesa Econômica.

O julgamento é instruído por estudos realizados sobre o mercado de cada produto, que são feitos pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda e o Departamento de Estudos Econômicos do Ministério da Justiça. Portanto, sendo o produto legal, o seu mercado é muito bem conhecido pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o CADE.

Como é ilegal, o mercado da maconha não é bem conhecido, pois os órgãos do sistema penal, Polícia, Ministério Público e Poder Judiciário, não são preparados para tal função. No entanto, no Rio de Janeiro, o conhecimento acerca do mercado da maconha é público e notório. Quase toda a maconha vem do Paraguai, onde toneladas são produzidas em imensas plantações e essa produção não é reprimida pela polícia brasileira, pois está em outro país. Ao contrário da pasta de cocaína, que pode ser distribuída em quilos por aviões e helicópteros, o mercado da maconha é de toneladas e, como vem do Paraguai, a erva só pode ser distribuída através das estradas federais e estaduais em caminhões de carga. O policiamento para reprimir essa distribuição é praticamente inexistente e raramente grandes quantidades são apreendidas. Obviamente, tem muita corrupção para a passagem de toda essa carga pesada, que não é pesada e fiscalizada nos postos da Receita pela sua ilegalidade.

Chegando ao Rio de Janeiro, como o maior número de consumidores são os pobres, como acontece com quase todos os produtos, a maior parte vai para as favelas. Como a maconha é vendida e consumida em todas as classes sociais, a menor parte vai para vendedores da classe média e ricos, pois seus consumidores raramente sobem os morros para comprar maconha.

Nas favelas, essas toneladas são vendidas em “mutucas” com poucos gramas, ao contrário das classes média e rica que compram 50 gramas por quatrocentos reais, pois têm maior poder aquisitivo. O setor do mercado de maconha que separa as toneladas em pequenas “mutucas”, que serão vendidas por um, cinco, dez e até cinquenta reais, é conhecido como “ endolação”. Raríssimas vezes vi noticiário da polícia estourando um paiol de endolação nas favelas.

Essas mutucas são distribuídas para serem vendidas no varejo das favelas do Rio de Janeiro, onde jovens, negros e pobres colocam em tabuleiros, onde são comercializadas como “camelôs”. Para isso, chegam às mãos de adolescentes e jovens, fuzis, granadas, pistolas e rádios transmissores. Na realidade, uma verdadeira armadilha, pois geralmente têm de 15 a 25 anos de idade e serão mortos ou presos. A fila anda fácil, pois recebem de 50 a 200 reais para ficarem 24 horas armados até os dentes, salário que não vão encontrar no escasso mercado de trabalho com carteira assinada. Sem camisa e calçando chinelos, são pagos para proteger a carga. Caso a mesma seja roubada, vão morrer assassinados por seus próprios chefes do morro, pois não terão como pagar. Por outro lado, muitos dos policiais que são mandados pelos oficiais e governador para reprimir o varejo, jovens, negros e pobres, morrem também.

Portanto, trata-se de um enorme mercado, onde a repressão concentra-se somente no varejo das favelas. Em suas vielas, milhões de pessoas de todas as idades circulam diuturnamente e sequer têm pra onde correr quando a polícia chega atirando para tudo quanto é lado.

Trata-se de uma grande farsa, uma política de segurança pública historicamente racista para matar jovens e negros, pois os traficantes são empresários brancos milionários, doleiros, banqueiros e fazendeiros.

A única medida inteligente e eficaz para reduzir imediatamente toda essa matança racista é a legalização da venda da maconha nas favelas e a regulamentação de todo o mercado da maconha.

Confira o programa Fumaça do bom direito com André Barros

As operações policiais nas favelas não combatem o tráfico de drogas

Posted by André Barros on Tuesday, August 20, 2019

Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2019

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império