Quantas vezes teremos de repetir que vidas negras importam? Mais que isto, esclarecer que enquanto vidas negras não forem valorizadas como devem, superando séculos e séculos de racismo, genocídio e etnocídio, nenhuma vida vale. Edi Rock soma aos milhões de vozes nas ruas e lança hoje (10) o clipe de Vidas Negras propondo mais que um manifesto, uma arma potente no combate ao preconceito e à violência.

A faixa antecipa o próximo álbum Origens – Parte 2 que virá no próximo semestre. Razões não faltaram para adiantar os trabalhos e lançamentos do novo projeto, que chegam pelo selo Som Livre. A faixa expõe as violências sofridas desde sempre pelo povo negro e fala da força e resiliência que é preciso ter para encarar a realidade onde as desigualdades só se acentuam.

O áudio de introdução traz uma matéria jornalística sobre a morte do adolescente João Pedro, de 14 anos, morto durante uma operação policial no Rio de Janeiro enquanto brincava em casa. A batida aposta em um boombap clássico do artista, com a energia e potências necessárias para despertar a atenção para a causa, ditando o ritmo da letra forte, com trechos como “Vidas negras sem teto / vidas negras sem piso / Vida negra objeto / que ainda abre um sorriso / Vida negra é sútil / que nem granada e fuzil / Homem negro morre no feto / vida negra é um barril”.

“Comecei a trabalhar no meu novo álbum ‘Origens – Parte 2’ no ano passado e agora vejo que esse é o momento de compartilhar uma parte do que tem sido desenvolvido. Nada mais oportuno, já que o momento de ataques contra o povo negro pede posicionamento e atitude. No meu caso através da música, através do rap”, conta Edi Rock.

Membro dos Racionais Mc’s, o compositor também dá as caras no clipe que acompanha o rap, o lyricvideo – disponibilizado no YouTube – traz uma colagem de ilustrações animadas mesclando imagens de ícones da luta racial, como Marielle Franco e o punho cerrado dos Panteras Negras, com registros do cotidiano de violência. Todos os royalties gerados com o clipe serão destinados à Central Única das Favelas (CUFA), a maior organização não governamental focada em favelas do Brasil.

Escute em todas as plataformas.

 — Felipe Qualquer
[email protected]

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd