.

Essa é a casa de uma pessoa humilde, que em meio aos confrontos de anteontem à noite, durante ação não registrada da polícia no Complexo do Alemão, teve sua casa alvejada, pela chamada “bala perdida”, que só se perde nas favela, em espaços determinados para isso, onde operação policial é a política pública de nossos governantes para nós. .

.

O estado deveria parar toda vez que a casa DE UMA PESSOA é atingida dessa forma.

Deveriam decretar dias de luto, toda vez que um pobre morre de forma violenta, diante das ações policiais que ao longo da história sempre aconteceram do mesmo jeito, sem nunca mudar nada.
.

.

Enquanto não assumirmos o papo reto de dizer que a favela não é a culpada, nem a fonte de toda essa violência, mas que foi escolhida como palco do terror por conta das desigualdades deste país, nada vai mudar.

.

Não se trata de “guerra às drogas”, não é, nem nunca foi.

É controle violento e exploração de violência, mascarado por essa justificativa hipocrisia. .

#FORÇAFAVELAS
Nossas vidas importam! 👊🏽

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle