.

Bem na sua cara! A Classe Média no poder! Interrompendo minhas férias para comentar essa foto sensacional a partir das observações do Ricardo Sardenberg. Isso é que é choque cultural! O que temos aqui? Uma foto típica dos grupos no poder, o Presidente da República ladeado por aliados na Biblioteca do Palácio da Alvorada. E no centro da foto, entronizado, o Presidente de chinelo Rider, calça de moletom, camiseta e um paletó improvisado e mal ajambrado jogado por cima de tudo. Bolsonaro está “em casa” de chinelo recebendo as visitas.

Qual o problema? Quando Lula chegou ao poder também produziu um escândalo: por carregar isoporzinho nas férias, por sua afetividade e fala desengessada e improvisada, pela quebra dos protocolos em muitas ocasiões formais. E claro por políticas públicas para os pobres, as mulheres, os negros, as minorias, mesmo com todas as suas limitações.

E hoje temos sim um segundo choque cultural, dos novos ocupantes do Planalto. Mas o contexto e injunções dessa “revolução conservadora” são outras.

A figura de Bolsonaro que provoca identificação com tantos eleitores é a desse mal ajambrado, improvisado que “afronta” o sistema e que expressa literalmente um governo de improviso, feito por “não-políticos”. O anti-sistêmico de Bolsonaro é um sistema de extrema-direita e conservador, mas com a cara do tiozão do churrasco que torna tudo risível ou “palatável”. O homem “sem qualidades” é a nova “qualidade”.

Bolsonaro comanda uma equipe de improviso, vindo de um partido de aluguel como o PSL, que aluga legenda, e cujos escândalos começam a explodir com uma corrupção gotejante e sistemática, perto, muito perto das corrupções concretas e reais do cidadão de bem: para “ajudar” a familia, os primos, os amigos.

Um governo cujos desentendimentos são de um grupo formado às pressas para ocupar o poder, misturando a presidência da República e o Estado com o humor e comando dos filhos do presidente e seus estilo de vida boçal e violento, agressivos nas redes, o parlamentar-playboy-filhinho de papai com costas quentes, falando sem consequência. Toda essa informalidade que se alia aos poderes fáticos e pára-militares.

A “informalidade” da milícia, dos amigos dos amigos nos gabinetes, do espetáculo de improvisos em um chat de condomínio, que se tornou o país. Toda uma corrupção apresentada como “mal menor’ diante dos “profissionais” da política. Daí criminalizar tudo que é organizado: partidos, movimentos, todas as conquistas coletivas.

Triunfo do indivíduo e sua network e rede em um capitalismo e governo mafioso: a família, o clã, acima de tudo.

O problema não são os hábitos culturais populares da família Bozo, mas esse ethos classe média e moralista dos almoços de domingo e da família conservadora tornados políticas públicas e políticas de perseguição e ódio as diferenças.

E muito bem notado por Ricardo Sardenberg sobre o distinto grupo, a tapeçaria monumental com as mulheres de Di Cavalcanti sinuosas e libidinosas, a música, a arte, as pernas escancaradas de uma mulher (se automassageando?) e prestes a soltar um gozo na cara dos moralistas.

É a tapeçaria Músicos de Di Cavalcanti na parede da biblioteca do Palácio da Alvorada pairando na foto.

Para um governo que acha que cultura e arte “não são importantes”, o modernismo brasileiro de Di, com sua liberdade e vitalidade, dá uma resposta, mesmo que simbólica: a arte e a cultura vão jogar e jorrar na cara da extrema-direita e dos conservadores emergentes, de forma pedagógica, explicando o que é uma vida não fascista! #governos#Cultura #arte

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família