Foto: Kênia Maria

No último domingo (30) aconteceu a Marcha das Mulheres Negras em Copacabana – RJ, essa foi minha primeira experiência em um ato tão simbólico na cidade do Rio de Janeiro, cheguei andando até a concentração onde vi cenas rotineiras de um cotidiano praiano carioca, várias pessoas passeando, andando de patins e se divertindo.

Como de costume em território tomado pela classe média alta, vi muitas mulheres que trabalham como babás com seus uniformes brancos feito a neve, mecanismo visual utilizado pelo patrões para identificar de longe as trabalhadoras, avistei também várias mulheres que trabalham como cuidadoras de idosos, em sua grande maioria mulheres negras. Essas imagens sempre me chamam muito a atenção e me remetem a um passado não tão distante.

 

Logo avistei mulheres negras em cima de um carro de som cobrando centenas de direitos sociais, trabalhistas entre outros, que ainda são negados às mulheres negras.

A dura realidade me colocava de front com uma dualidade que me fazia encher os olhos de lágrimas: em cima do carro, mulheres empoderadas, reivindicando direitos e clamando por liberdade, no asfalto, ali bem na minha frente, a desvalorização do trabalho doméstico.

No decorrer da marcha rolou muita troca de conhecimento, afeto e muita demonstração de sororidade, pois as mulheres pretas historicamente precisam umas das outras para resistirem as lutas cotidianas.

Segundo a organização, cerca de 5 mil mulheres estavam presentes reivindicando acesso à educação de qualidade, segurança, ao convívio em comunidade, saúde, assistência social, moradia. Estavam ali exigindo uma vida digna.

Num desses momentos em que estava admirando a beleza daquele ato de luta, da manifestação de força daquelas mulheres, eu encontrei a atriz e Defensora dos Direitos das Mulheres pela ONU Mulheres, Kênia Maria. Dentre muitas trocas de experiências, abraços e risadas, Kênia me mostrou um vídeo, de uma trabalhadora, negra, uniformizada, na varanda de um apartamento em Copacabana, saudando todas as mulheres e fazendo gestos de quem ama sua pele, sua origem. No áudio do vídeo conseguia ouvir as mulheres que estavam presentes na marcha dizendo: “Uma sobe e puxa a outra”.

Era um domingo e eu tenho certeza que se ela não estivesse trabalhando estaria lá, marchando, com todas nós.

Há quem diga que o trabalho de doméstica é um trabalho como qualquer outro, mas todxs temos ciência do processo de desvalorização com o qual são submetidas as profissionais desta categoria.

Quando em 2016 expus uma situação que vivi em 2009 e deu origem a criação da página Eu Empregada Doméstica, nunca imaginei que em pleno século XXI ainda existiria mulheres trabalhando em situações análogas à escravidão, assim como minha mãe, sofrendo inúmeras humilhações e assédio sexual com patrões achando isso normal ou se vangloriando por pagar um salário mínimo, para alguém está a sua disposição.

O que era senzala no século XVIII hoje são os quartinhos de empregada.

Para nós, mulheres negras, parece que já é algo hereditário. Minha vó, mãe, tias foram de uma geração de domésticas caladas, que não questionaram o modelo imposto e acreditavam que realmente eram “como se fôssemos da família”. Hoje, nenhuma mulher mais nova da minha família é doméstica. Conseguimos, com muitos esforços das minhas mais velhas, alterar esse ciclo predestinado as mulheres pretas.

Segundo o DIEESE, em 2013, existiam 6 milhões de domésticas em atuação e 79,6% eram mulheres negras, esse não pode ser nosso lugar de não escolha. Demorei muito pra entender que currículo com foto e boa aparência nunca é personificada em uma pessoa preta.

Ver mulheres negras comemorando a nossa Marcha da janela me levou para um lugar que eu já estive. Quantas coisas as trabalhadoras domésticas abrem mão por causa do trabalho, anulam suas vidas, perdem o crescimento de seus filhos, não conseguem estudar…Tudo por não ter a empatia dos seus patrões.

Em um ano da página Eu Empregada Doméstica conseguimos atingir um número grande de pessoas falando sobre esse problema social e gerando incômodo com cada relato postado. Dialogamos nas redes sociais e pessoalmente com trabalhadoras do país inteiro sendo elas mesmas protagonistas das suas próprias histórias e mostrando os direitos que são negados todos os dias.

Em parceria com o coletivo ComunaDeusa e Observatório de Direitos das Mulheres, lançamos o Guia de Direitos das Trabalhadoras Domésticas e hoje já recebemos relatos de domésticas que consultam o guia na área de serviço ou no banheiro pra depois questionar seus direitos com os patrões.

Não vão nos calaram nunca mais, já tiramos a sujeira debaixo do tapete da família tradicional, elitista, branca, brasileira e tornamos isso público para conquistar severas mudanças, tratamento humanizados e cumprimento de nossos direitos.

Como disse a poeta Elizandra Souza: Vai mudar o placar!

E continuaremos reivindicando em todos os cantos pois a NOSSA VOZ ECOA. Saudações africanas!

Foto: Marcelo Rocha / Mídia NINJA

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle