Arte | @partes.art

Não é de ontem que o orgasmo é algo desconhecido para muitas pessoas, principalmente para as mulheres, agora triplique o desconhecido por inexistente para uma parcela enorme de mulheres com deficiência, sim essas mulheres por sua maioria nunca tiveram seus dedos melados em seu clitoris, se quer penetraram o dedo médio em suas vaginas, no meu caso e estendendo a variedade de mulheres que compõe o time, nunca masturbaram a cabeça de seus pênis lentamente, utópico e sonho de princesa, seria um belo sexo oral a todas.

A pressão cardíaca aumentada, a respiração ofegante, a sensação de queda livre, o suor, os gemidos mais estranhos junto ao contorcionismo, o dialeto safado acompanhado de carinho ou pra quem ja gosta, uns tapinhas de leve, isso em tese, está proibido para as mulheres que lerem isso, inclusive foi proibido a mim, meu lugar seria em um pedestal, imaculada, virgem santíssima, intocável.

Até que decidi por si só que as minhas experiências sexuais me fariam completa, gozar me levaria longe, gozar gostoso me daria força para escrever esse texto sem pudor e deixar claro como sua lubrificação vaginal que todas nós não iremos obedecer a sociedade normativa que infantiliza, segrega e afasta as mulheres com deficiência do direito de ter seu próprio orgasmo.

Sejamos donas dos nossos corpos, temos total autonomia sobre eles, se toquem, permitam que te toquem, conta como você gosta que faz, afinal você já descobriu como você gosta, relaxa, não é só no dia de hoje que você deve ter orgasmos, eles são seus, usem sem moderação e quando você quiser.

*Texto escrito para @galeriapcd para o dia do Orgasmo

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?