Marielle Franco, no Complexo da Maré. | Foto: Mídia NINJA

Os caminhos da barbárie para a democracia – Lição 1

A triste e revoltante execução de Marielle Franco decretou a morte simbólica de um Brasil catatônico, bestializado e vilipendiado pelo golpe que usurpou a democracia, a cidadania e a soberania nacional.

O Brasil do golpe, que naturaliza as desigualdades sociais e convive com um dos maiores índices de violência, morreu no Estácio.

Morreu pelo sangue de Marielle e do motorista Anderson, que tombaram como milhares de negros pobres e trabalhadores imolados por um aparato de opressão e violência entranhado nas vísceras do Estado, nas instâncias políticas, policiais, judiciais; nas corporações privadas e em quase todas as estruturas sociais e nas consciências brasileiras.

O povo pobre que vive nas periferias e favelas brasileiras é submetido pela violência dos traficantes, das milícias e das polícias. Esse Brasil herdeiro da escravidão é um cadáver insepulto que teima em permanecer em pleno século XXI.

A dor brutal acordou o Brasil. A voz silenciada à bala destravou o grito preso na garganta.

Basta!

O Brasil mudou. Quer mudar. Se manifestou contra a barbárie e pelo direito à vida sem as ameaças de morte. O país sonha com um futuro melhor.

A morte em sacrifício restabeleceu a energia vital da nação, retirou o país da letargia e refez laços de cidadania e fraternidade. Estamos de pé e devemos seguir em frente.

O pior que pode acontecer é nos desmobilizarmos ou nos deixarmos manipular pelo aparato de comunicação e pelas instituições que trabalham para perpetuar esse Brasil injusto. Sigamos em frente.

Primeiro, como a questão que vai permitir enfrentarmos todas as outras, vamos ter que recuperar a democracia usurpada pelo golpe.

As eleições de 2018 devem ser garantidas sem tutelas, nem restrições que se sobreponham à vontade popular, assegurando a todos o direito de participar do pleito. Inclusive Lula, o preferido dos brasileiros.

Debates eleitorais, livres e democráticos, deverão definir o projeto de Brasil que os brasileiros e brasileiras querem implantar daqui para a frente. Desde o enfrentamento da violência e do crime organizado, até o restabelecimento da Soberania Nacional e a criação de uma estratégia de desenvolvimento sustentável.

Sigo falando desse processo num próximo post, logo mais. Siga comigo. Vamos debater e apontar os caminhos que vão nos ajudar a fazer a travessia da barbarie para a democracia.

#MariellePresente

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império