Marielle Franco, no Complexo da Maré. | Foto: Mídia NINJA

Os caminhos da barbárie para a democracia – Lição 1

A triste e revoltante execução de Marielle Franco decretou a morte simbólica de um Brasil catatônico, bestializado e vilipendiado pelo golpe que usurpou a democracia, a cidadania e a soberania nacional.

O Brasil do golpe, que naturaliza as desigualdades sociais e convive com um dos maiores índices de violência, morreu no Estácio.

Morreu pelo sangue de Marielle e do motorista Anderson, que tombaram como milhares de negros pobres e trabalhadores imolados por um aparato de opressão e violência entranhado nas vísceras do Estado, nas instâncias políticas, policiais, judiciais; nas corporações privadas e em quase todas as estruturas sociais e nas consciências brasileiras.

O povo pobre que vive nas periferias e favelas brasileiras é submetido pela violência dos traficantes, das milícias e das polícias. Esse Brasil herdeiro da escravidão é um cadáver insepulto que teima em permanecer em pleno século XXI.

A dor brutal acordou o Brasil. A voz silenciada à bala destravou o grito preso na garganta.

Basta!

O Brasil mudou. Quer mudar. Se manifestou contra a barbárie e pelo direito à vida sem as ameaças de morte. O país sonha com um futuro melhor.

A morte em sacrifício restabeleceu a energia vital da nação, retirou o país da letargia e refez laços de cidadania e fraternidade. Estamos de pé e devemos seguir em frente.

O pior que pode acontecer é nos desmobilizarmos ou nos deixarmos manipular pelo aparato de comunicação e pelas instituições que trabalham para perpetuar esse Brasil injusto. Sigamos em frente.

Primeiro, como a questão que vai permitir enfrentarmos todas as outras, vamos ter que recuperar a democracia usurpada pelo golpe.

As eleições de 2018 devem ser garantidas sem tutelas, nem restrições que se sobreponham à vontade popular, assegurando a todos o direito de participar do pleito. Inclusive Lula, o preferido dos brasileiros.

Debates eleitorais, livres e democráticos, deverão definir o projeto de Brasil que os brasileiros e brasileiras querem implantar daqui para a frente. Desde o enfrentamento da violência e do crime organizado, até o restabelecimento da Soberania Nacional e a criação de uma estratégia de desenvolvimento sustentável.

Sigo falando desse processo num próximo post, logo mais. Siga comigo. Vamos debater e apontar os caminhos que vão nos ajudar a fazer a travessia da barbarie para a democracia.

#MariellePresente

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal