Essa semana a Lei Maria da Penha comemora 11 anos e ainda hoje alguns dizem que o Feminismo não leva a nada. Há quem diga que não existe machismo no Brasil, mas esse machismo mata milhares de mulheres todos os anos.

Há 11 anos, pude viver uma das experiências mais importantes da minha vida pública ao escrever na Câmara dos Deputados o texto da Lei Maria da Penha. Rodei o Brasil, ouvi histórias tristes e impactantes, acompanhei de perto a realidade em diversos pontos do país. Olhei diversas mulheres nos olhos e vi suas dores. Suas marcas. Suas angústias. Histórias tristes que começam a ficar para trás.

Hoje, sabemos que o efeito da Lei no combate à violência doméstica é enorme. Mais de 300 mil vidas já foram salvas desde 2006. E, entre uma luta e outra, queremos mais! Queremos uma cultura de paz. Uma sociedade em que não haja violência ou preconceito. Uma civilização evoluída e transformada. Um povo em que suas mulheres não morram por serem mulheres, nem que sofram nenhum tipo de violência. Sem marcas. Sem dor.

O momento é de fortalecer a Lei Maria da Penha e fazer com que ela se torne cada vez mais um instrumento de defesa das mulheres do Brasil inteiro.

Não podemos aceitar mais mortes resultantes da misoginia e intolerância, vamos lutar até o fim Pelo cumprimento da Lei Maria da Penha!

Não se omita.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle