encontro Pretas no Poder, no Rio de Janeiro. Foto: Mídia NINJA

Segunda, 01/01, primeiro dia do ano
Assisto último episódio de Black Mirror e saio dali mortificada. Não sabia o que me atravessava mais – que alguém tenha tido a ideia de fazer uma linha narrativa que explore a imagem de um negro encarcerado e eletrocutado como atração de museu ou que a vingança da sua filha órfã seja o ideal branco de justiça. Saio dali prometendo que esse ano faria conteúdos que curem.

Fevereiro, 15/02, Fim do carnaval
Entramos na etapa final de seleção das três turmas do LAB NINJA, projeto de formação livre de midiativistas. Nos critérios de seleção, pautas propostas, convidados para aulas e percurso pela cidade um desejo de refletir vivencias e referências negras, feministas, LGBT. Cobertura de Black Panther no alemão, ouvir youtubers e especialistas negros, ver pré lançamento de projeto audiovisual preto na Maré, presença no baile da Penha.

Domingo, 04/03, gravação do programa Querendo Assunto
Entro num ônibus às 6:00 depois de fazer parte da Conferência Cidadã, onde ao lado de Henrique Vieira, pastor negro, tive o prazer de apresentar uma indígena e um líder sem teto para pré candidatura à presidência. Me reencontro com Ana Paula e Ellen Paes, conheço Taísa Machado e uma equipe maravilhosa para participar de uma experiência que depois entendi ser um divisor de águas no audiovisual brasileiro.

Quinta, 08/03, 8M
Com uma equipe de dez mulheres, vamos às ruas do Rio de Janeiro conectadas com manas do Brasil, América Latina e todo o mundo para gritar por direitos das mulheres – e contar as histórias de lutas diversas, mas não dispersas. Em terras cariocas, a marcha começa e termina com chuva, mas também num orgasmo coletivo que só se acontece quando tanta mulher se junta.

Quarta, 14/03, Execução de Marielle
Recebo a noticia que tiraram Mari de nós, com quatro tiros na cara, por ser quem ela é e defender quem somos. Morro um pouco por dentro e me apoio nas minhas. Me acalento vendo que não fomos paralisados – enchemos ruas, redes e corações de luto e luta e seguimos marchando por um mundo onde viver não ser privilégio.

Sábado, 17/03, três dias depois
Depois de acompanhar as narrativas crescentes em torno de um dos ícones da minha geração e amiga, ligo para Tainá de Paula e proponho: mulheres negras precisam falar sobre as suas. A memória da nossa companheira de luta merece nossos olhares, nossas narrativas. Gravamos Ana, Thula, Ellen, Rafaela, Sabrina, Ana, Faby e Dida no domingo, segunda, terça. Choramos, rimos e prometemos viajar juntas para o Caribe.

Segunda, 26/03, lançamos “De Pretas Para Marielle”
Após o desafio de dirigir e encontrar um fio condutor entre tantas histórias, experiências e memórias de Mari, apresentamos 10 minutos para ela. Mais 3 horas de conteúdo serão lançadas ao longo da semana, com nossos depoimentos pessoais. No dia que ao lado de Daiane, Giovana e Flávia inauguramos as aulas de um novo curso de comunicação.

Assim, sigo cumprindo minha meta do ano:
criar conteúdos que curam.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império