Foram 12 horas de barco, acompanhando o vereador Rodrigo Forneck e o secretário municipal de Saúde, Oteniel Almeida, para verificar a dinâmica do programa em sua prática.

IMERSÕES AO ACRE PROFUNDOEpisódio II:Riozinho do Rola – Comunidade Macapá – Rio Branco – Acre – Brasil14/04/2019Nossa 2ª Imersão ao Acre Profundo aconteceu no domingo, 14/04/2019, subindo o Rio Acre e um de seus principais afluentes, o Riozinho do Rôla, para acompanhar o encerramento das atividades de mais uma edição do programa "Saúde na Comunidade", da Prefeitura Municipal de Rio Branco (PMRB), por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA).Foram 12 horas de barco, acompanhando o vereador Rodrigo Forneck e o secretário municipal de Saúde, Oteniel Almeida, para verificar a dinâmica do programa em sua prática.O "Saúde na Comunidade" funciona como uma espécie de “unidade básica de Saúde móvel” e contempla todos os serviços disponíveis em uma UBS para populações de localidades de difícil acesso e mais distantes do centro urbano de Rio Branco.Os serviços disponibilizados à população compreendem desde o acolhimento à realização de exames como PCCU, pré-natal, verificações de pressão arterial, glicemia e diabetes, consultas médicas, consultas de enfermagem, gabinete odontológico, controle de zoonoses (vacinas para cães e gatos e coleta de amostras para exames laboratoriais de raiva e leshmaniose), testes rápidos para hepatites B, C, sífilis e HIV, farmácia básica completa (incluindo remédios de prescrição e uso controlados), vacinação infantil e curativos.Nesta edição do programa foram 30 dias de trabalho, em 11 localidades diferentes, totalizando 48 comunidades atendidas em mais de 30.000 procedimentos realizados, dentre consultas, exames, testes rápidos, coleta de material e receitas médicas. Ao todo, 44 profissionais estiveram envolvidos, atuando diretamente nos atendimentos à população, dentre médicos, dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, agentes comunitários de Saúde, agentes de Endemias, agentes de Zoonoses e pessoal de apoio.O acesso a tais comunidades é complexo. No período chuvoso do chamado “inverno amazônico”, muitas estão acessíveis, apenas, por via fluvial. Sendo assim, políticas públicas como essa, que dialogam com as características demográficas locais – população dispersa em pequenas comunidades distribuídas em uma gigantesca extensão territorial – são essenciais para assegurar, ao povo, a garantia do exercício de seus direitos fundamentais: acesso aos serviços públicos de Saúde, Educação, Assistência Social, Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), dentre outros.Para se chegar a sua formulação e execução é necessário conhecer a realidade de cada cantinho de nosso Brasil, a fim de compreender que, em um país de dimensões continentais, multicultural e multi diverso, não há a mínima chance de se atingir a eficiência de políticas públicas universais pensadas a partir de gabinetes refrigerados em Brasília. As chamadas políticas padrão, pré-formatadas para adesão de estados e municípios, por vezes, não dialogam com a realidade do interiorzão mais remoto do Brasil. Na prática, acabam não funcionando adequadamente.Nossas imersões tem esse intuito: “conhecer de perto, para dizer de certo”. Aprendemos isso com as “Caravanas da Cidadania”, de Lula e com as nossas lideranças da Frente Popular do Acre, sobretudo com os ex-governadores Jorge Viana, Binho Marques e Tião Viana. Atualizar esse conceito e praticá-lo, no dia-a-dia da política, é fundamental para parlamentares e gestores de nosso tempo.Espero que tenham gostado! Até o próximo episódio de nossas Imersões ao Acre Profundo!#Imersões #AcreProfundo #MandatoZen #AcreQueQueremos #DeputadoDoPovo

Posted by Mídia Ninja on Sunday, April 21, 2019

Riozinho do Rola – Comunidade Macapá – Rio Branco – Acre – Brasil
14/04/2019

Nossa 2ª Imersão ao Acre Profundo aconteceu no domingo, 14/04/2019, subindo o Rio Acre e um de seus principais afluentes, o Riozinho do Rôla, para acompanhar o encerramento das atividades de mais uma edição do programa “Saúde na Comunidade”, da Prefeitura Municipal de Rio Branco (PMRB), por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA).

Foram 12 horas de barco, acompanhando o vereador Rodrigo Forneck e o secretário municipal de Saúde, Oteniel Almeida, para verificar a dinâmica do programa em sua prática.

O “Saúde na Comunidade” funciona como uma espécie de “unidade básica de Saúde móvel” e contempla todos os serviços disponíveis em uma UBS para populações de localidades de difícil acesso e mais distantes do centro urbano de Rio Branco.

Os serviços disponibilizados à população compreendem desde o acolhimento à realização de exames como PCCU, pré-natal, verificações de pressão arterial, glicemia e diabetes, consultas médicas, consultas de enfermagem, gabinete odontológico, controle de zoonoses (vacinas para cães e gatos e coleta de amostras para exames laboratoriais de raiva e leshmaniose), testes rápidos para hepatites B, C, sífilis e HIV, farmácia básica completa (incluindo remédios de prescrição e uso controlados), vacinação infantil e curativos.

Nesta edição do programa foram 30 dias de trabalho, em 11 localidades diferentes, totalizando 48 comunidades atendidas em mais de 30.000 procedimentos realizados, dentre consultas, exames, testes rápidos, coleta de material e receitas médicas.

Ao todo, 44 profissionais estiveram envolvidos, atuando diretamente nos atendimentos à população, dentre médicos, dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, agentes comunitários de Saúde, agentes de Endemias, agentes de Zoonoses e pessoal de apoio.

O acesso a tais comunidades é complexo. No período chuvoso do chamado “inverno amazônico”, muitas estão acessíveis, apenas, por via fluvial. Sendo assim, políticas públicas como essa, que dialogam com as características demográficas locais – população dispersa em pequenas comunidades distribuídas em uma gigantesca extensão territorial – são essenciais para assegurar, ao povo, a garantia do exercício de seus direitos fundamentais: acesso aos serviços públicos de Saúde, Educação, Assistência Social, Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), dentre outros.

Para se chegar a sua formulação e execução é necessário conhecer a realidade de cada cantinho de nosso Brasil, a fim de compreender que, em um país de dimensões continentais, multicultural e multi diverso, não há a mínima chance de se atingir a eficiência de políticas públicas universais pensadas a partir de gabinetes refrigerados em Brasília.

As chamadas políticas padrão, pré-formatadas para adesão de estados e municípios, por vezes, não dialogam com a realidade do interiorzão mais remoto do Brasil. Na prática, acabam não funcionando adequadamente.

Nossas imersões tem esse intuito: “conhecer de perto, para dizer de certo”. Aprendemos isso com as “Caravanas da Cidadania”, de Lula e com as nossas lideranças da Frente Popular do Acre, sobretudo com os ex-governadores Jorge Viana, Binho Marques e Tião Viana. Atualizar esse conceito e praticá-lo, no dia-a-dia da política, é fundamental para parlamentares e gestores de nosso tempo.

Espero que tenham gostado! Até o próximo episódio de nossas Imersões ao Acre Profundo!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

Juan Manuel P. Domínguez

Márcia Tiburi: “Fora do Brasil todos já perceberam que Bolsonaro é um maníaco”

Isa Penna

Isa Penna: Doria quer se desvincular de Bolsonaro. Você cai nessa?

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: lucros e dividendos - Parte 2

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?