Foto: Mídia NINJA

Por João Tancredo, advogado das famílias de Marielle Franco e Anderson Gomes

Hoje completam-se 100 dias sem Marielle Franco e Anderson Gomes. Até o momento, as investigações não trazem nada de concreto sobre a autoria e a motivação do crime. Por trás do afinco de investigadores policiais realmente comprometidos, há apenas demagogia e omissão dos governos estadual e federal. Frente a assassinos altamente profissionais, vemos especuladores irresponsáveis apresentarem suspeitos antes das provas, invertendo o processo.

Os familiares das vítimas preferem um culpado solto a um inocente preso. Inadmissível, porém, é a displicência diante da brutal execução que continua a assombrar nossas cabeças. Todos os dias. Sem arrego. Essa é a vitória parcial dos assassinos. Mas, desgraçadamente, é também o combustível que impulsiona a busca por justiça. Essa era a tradição de luta, secular, que Marielle seguia e reinventava. Cotidiana e coletivamente. Esse é o seu legado e ele grita: basta! Mova-se! Quem é capaz de ignora-lo?

Favelada, mulher, negra, feminista, lésbica, íntegra, militante de esquerda, defensora dos direitos humanos, revoltada contra as injustiças e indignada contra todas as opressões, Marielle obteve 46 mil votos e conquistou o posto de vereadora para dar lugar a essas falas historicamente negligenciadas. Dona de um espírito coletivo que a distanciava das mazelas do personalismo, fez de seu gabinete uma rede, um exercício de participação popular com forte protagonismo de mulheres, a mandata. Marielle era semente e personagem concreta da inovação política que tantos idealizam por aí.

Graduada e pós-graduada, Marielle era uma intelectual orgânica do seu tempo e do seu povo. Inconformada com as tragédias que predominantemente atingem pretos e pobres, geradas em nome da guerra às drogas e da privatização dos territórios do Rio de Janeiro, Marielle agia na ponta e lutava para transformar o todo. Ao mesmo tempo, acolhia as vítimas nas emergências, denunciava as estruturas que fabricam a “guerra” – a qual definia como política sistemática de exclusão e punição de pobres – e propunha políticas alternativas para a segurança pública e a garantia de direitos.

Ainda assim, Marielle não conseguiu escapar do genocídio do povo negro e do extermínio de defensores de direitos humanos que assolam o Brasil. E que ela denunciava.

Ainda assim, Marielle não foi protegida pela segurança militarizada que avança pela cidade. E que ela advertia não funcionar para o povo.

Ainda assim, há quem tergiverse ou se mantenha displicente quanto ao significado da execução de Marielle. Por má-fé, conveniência, antipatia política ou mesmo inocência.

A quem interessa?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Caetano Veloso

Caetano Veloso entrevista Guilherme Boulos

Dríade Aguiar

Maria, Maria sou Dona De Mim

Fatine Oliveira

Minha deficiência não está disponível para caridade

Ivana Bentes

Ivana Bentes: A educação vai para o espaço

Caetano Veloso

Caetano Veloso entrevista Roger Waters

Tulio Ribeiro

Israel avança com genocídio e prende criança de oito anos

Ana Júlia

Ana Julia: Ideologias e pensamentos políticos existem. Aceite isso.

Joana Mortagua

Sérgio Moro, o rei nu

Tulio Ribeiro

O neoliberalismo semeia a pobreza que faz os hondurenhos migrarem

João Brant

O que levou Bolsonaro ao Planalto: um balanço das eleições de 2018

NINJA

Opinião: Cai de vez a máscara de Moro

Sonia Guajajara

Sonia Guajajara: Democracia pela mãe terra

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século