Daniel Zen

Quem resiste, existe

Lula foi vítima de um julgamento iníquo, com provas frágeis, seguido de uma interpretação canhestra da Constituição Federal de 1988, que permitia, erroneamente, a execução da sentença de prisão após julgamento em segunda instância, antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória.

Diatribes sobre a má-fé jornalística e a desfaçatez presidencial

Ávidos por dar um furo jornalístico, a mídia não teve a cautela necessária de averiguar e checar, com o rigor que o jornalismo sério requer, todas as nuances do caso Bolsonaro na morte de Marielle. Isso não isenta o presidente de futuras descobertas ou implicações com este ou outros crimes. Mas, não há como negar que houve exagero nesse episódio.

O equívoco liberal chileno

Tal modelo de capitalização previdenciária que o ministro da Economia de Jair Bolsonaro (PSL) queria e ainda quer implantar no Brasil - e que o Congresso Nacional impediu, parcialmente - é o mesmo que deu errado no Chile.

Fogo no laranjal

Uma confusão generalizada tomou conta, essa semana, da bancada do PSL na Câmara e no Senado. Foi originada a partir de uma declaração do presidente Jair Bolsonaro, para quem o presidente da legenda, deputado federal Luciano Bivar (PSL/PE), estaria "queimado pra caramba".

Kipchoge: a superação vem do Quênia

O maratonista queniano Eliud Kipchoge concluiu, com êxito, a segunda edição do desafio "Breaking 2", organizado por um patrocinador para que ele pudesse correr a maratona em um intervalo de tempo inferior a duas horas. Kipchoge tornou-se, assim, o primeiro ser humano em toda a história a correr 42,195 km em menos de 120 minutos. Um feito incrível para a raça humana, realizado por um atleta negro de um país considerado subdesenvolvido.

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Na edição da revista Veja de número 2.566, de 09/10/2019 (já nas bancas), o ex-juiz federal e hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, declarou: "Lula está preso porque cometeu crimes. Eduardo Cunha também diz que é inocente. Aliás, na cadeia todo mundo diz que é inocente, mas a Petrobrás foi saqueada". Pois bem. Vejamos:

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

O Brasil vive hoje as drásticas consequências do resultado de eleições vencidas à base de duas ordens de trapaças: 1) judiciais; e 2) digitais. A série de reportagens intitulada "As mensagens secretas da Lava-jato" (ou, simplesmente, #VazaJato) tem se encarregado de revelar o primeiro conjunto de trambiques.

Os 340 [que não são] de Esparta

Nessa semana, após ter 8 vetos de sua autoria derrubados na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac), com votos de todos os membros de sua bancada de situação presentes à sessão, o governador Gladson Cameli (Progressistas) promoveu uma exoneração em massa. De uma vez só destituiu 340 ocupantes do governo.