Foto: Mídia NINJA

Em 2008, fui à Marcha da Maconha de São Paulo, a fim de dar o necessário apoio jurídico. Assim que cheguei ao Ibirapuera, deparei-me com forte aparato policial, enquanto um comandante exibia, como um troféu nas mãos, uma ordem judicial que proibia o evento. Mesmo assim, cerca de quinhentas pessoas mantiveram sua disposição de sair dali em passeata.

Dissemos aos policiais que seria muito difícil convencer aquele coletivo que a manifestação não poderia acontecer. Sem a presença dos autores da referida ordem ilegal, que raramente aparecem, negociamos durante um bom tempo com a polícia e acordamos que sairíamos em passeata pela “liberdade de expressão”, mas sem qualquer cartaz, faixa, adesivo que contivesse a palavra ou desenho da maconha. Adentramos o grande parque paulistano cantando: “1, 2, 3, 4, 5 mil / vamos legalizar a pamonha no Brasil”.

Pouco tempo depois, chegou nosso parceiro Japa segurando um cartaz de papelão com os seguintes dizeres: “não fumo, mas sou a favor da legalização da maconha. O primeiro a ser preso, soltamos Japa algumas horas após o evento.

No ano seguinte, eu, Gerardo Santiago e Renato Cinco, representando a Marcha da Maconha do Rio de Janeiro, fizemos uma representação contra 10 promotores e juízes que haviam proibido 10 Marchas da Maconha por todo o país. Essa representação gerou duas ações movidas pela Procuradora-Geral da República interina, a Doutora Debora Duprat. Essas ações estavam paradas até 2011, quando ocorreu a Marcha da Maconha de São Paulo.

Foto: Mídia NINJA

Fiquei na avenida Paulista em frente ao MASP. Logo me posicionei entre os ativistas e a polícia, que estava atrás da Marcha da Maconha. Mal pude acreditar no que vi, quando o policiamento começou a atacar por trás. Ainda falei com o comandante: “Desse jeito, vocês vão acabar legalizando a maconha. Sem me dar a mínima, o comandante ordenou que o destacamento avançasse. Jamais havia conhecido o centro de São Paulo como naquela tarde tão violenta.

As fortes imagens da violência foram transmitidas para todo o país. Lembro que uma faixa preta com os dizeres STF JULGUE A NOSSA CAUSA: ADPF 187 circulava sempre suspensa sem ser abaixada durante todos os ataques da polícia. Ela foi confeccionada e carregada pelo William Lantelme do Growroom, avançando dentre bombas e gases.

Em 15 de junho de 2011, o Ministro Celso de Mello levou nossa ação para a pauta. Seu magnífico e histórico voto foi acompanhado pelos demais sete ministros e assim ganhamos nossa causa no STF por 8 a 0.

Portanto, as Marchas da Maconha de todo o país foram garantidas pela aliança entre as marchas do Rio de Janeiro e de São Paulo. A primeira fez a representação e a segunda pautou o evento na pancada.

Trata-se de um movimento social que atacou sem preconceito por todos os flancos e conseguiu abrir o debate da legalização para todos os fins da maconha no Brasil.

Rio de Janeiro, 24 de maio de 2018

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Souza Santos: As esquerdas e as eleições do desconhecido

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Não se faz fofoca com o assassinato de Marielle

Ericka Gavinho

Segurança pública e eleições

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: As relações de trabalho

Vinícius Lima

O que aprendi conversando com o invisível: Genival

Tulio Ribeiro

Um judicialismo político para salvar Macri

Vinícius Lima

SP Invisível: Maria aparecida de Jesus, mas pode me chamar de Doidinha

Tulio Ribeiro

O tango que os Argentinos não gostaram

Mônica Horta

A não-moda brasileira

Liana Cirne Lins

É hora do PT mostrar que aprendeu

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como direito e espaço de realização

André Barros

As 23 condenações de junho de 2013