Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

Dois dias após as eleições municipais em São Paulo, uma triste efeméride bate à porta: um ano da morte dos nove jovens negros e periféricos assassinados por policiais militares no Baile da DZ7, em Paraisópolis.

O pânico da burguesia é o ócio (criativo) da quebrada

Quarentena explodindo e a favela tá como? Máscara e... pau na máquina! Não dá pra parar, não dá pra esperar a segunda parcela do auxílio chegar, já que, infelizmente, ainda é preciso comer todos os dias. E, pras gerações que ainda tão buscando seu lugar ao sol, tem mais: o ENEM não vai ser cancelado.

Te desafio a conhecer o funk

20 milhões de funkeiros e funkeiras espalhados por todo território nacional, isso é cerca de 10% da população do Brasil.