Ana Claudino

10 livros para aprender sobre antirracismo, feminismo negro, sexualidade e classe social

Em 25 de julho foi comemorado o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. Para além das homenagens nas redes sociais, precisamos exaltar também as intelectuais negras produtoras de saberes sobre as questões de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe Social. Deixo aqui para vocês, algumas indicações de autoras negras que eu admiro e um livro delas.

Sair do armário pro resto da vida! 

Existe um pensamento do senso comum de que pessoas LGBTQI+ só precisam sair do armário uma única vez e isso não é o que acontece na nossa realidade.

Lésbicas também são mães

Existe toda uma estrutura social para dizer que lésbicas não podem ser mães e constituir família. Esse argumento é completamente lesbofóbico e mentiroso.

BBB, mas ele não é alienação? Ihhhh

Todo ano sempre surge aquela típica problematização sobre o Big Brother Brasil ser coisa de gente alienada, perda de tempo e etc. Essa condenação em cima do entretenimento, me assusta muito porque parte dela vem de um elitismo branco- hetero- masculino- colonial.

Sou uma lésbica negra e sou sua irmã

Audre Lorde já falava que não existe uma hierarquia de opressões, no movimento negro ela era lésbica e no movimento LGBTQIAP+ ela era negra. Pessoas negras LGBTQIAP+ são constantemente atravessadas por múltiplas opressões articuladas. O racismo mata e nos adoece diariamente de diversas formas.

Preto é tudo igual?

Não, pessoas negras não são todas iguais. Parece óbvio dizer isso mas infelizmente a realidade é outra.

Lésbicas na história

29 de Agosto é o Dia da Visibilidade Lésbica, data com múltiplos significados. Hoje Ana Claudino conversa com a Larissa Andrade, criadora do perfil Lésbicas na História, para saber um pouco sobre a história Lésbica Brasileira.