Ato em defesa do Hospital Universitário da USP contra os ataques de Zago e Alckmin.

Marco Antonio Zago assumiu, em 2014, a reitoria da Universidade de São Paulo após seu antecessor, João Grandino Rodas, enfrentar uma forte greve estudantil com ocupação do prédio da reitoria por mais de 40 dias.

Naquele momento, a reivindicação consistia em “Diretas para reitor” e mais “democracia na universidade”. Ainda assim, como sempre acontece na USP, Zago foi escolhido para ocupar o cargo de reitor pelo governo do estado São Paulo, que há mais de 20 anos está sob controle do PSDB.

Não demorou muito para que Zago mostrasse a que veio. O início de sua gestão é marcado pelo discurso enfático sobre uma crise no orçamento da Universidade. Assim, contrariando a opinião da comunidade acadêmica, anunciou o congelamento das contratações de funcionários aliado a um Plano de Incentivo à Demissão Voluntária – o que, na prática, levou à pedidos de demissão em massa, sobrecarga e precarização das condições de trabalho para os servidores que permaneceram.

Outra providência frente à “crise” foi a ameaça de desvinculação do Hospital Universitário, um modelo transformador de hospital-escola que existe há anos na USP, conciliando o ensino dos estudantes – por meio de estágios, residências e outros projetos – com o atendimento de qualidade em diversas áreas de atuação de profissionais da saúde.

Acabar com o vínculo que o Hospital Universitário (HU) tem com a Universidade significa também comprometer esse modelo, inviabilizando tanto o ensino dos estudantes da saúde, como também a qualidade do atendimento, levando em conta que esse é um dos poucos hospitais públicos da Zona Oeste de São Paulo, sendo assim, supre a demanda de milhares de munícipes da região.

Na época, eu era diretora de base do Sindicato de Trabalhadores da USP (SINTUSP) pela Escola Politécnica, e tive o prazer de participar da maior greve que a universidade já teve: foram mais de 100 dias que renderam uma série de vitórias, dentre elas, o impedimento do projeto de desvinculação do Hospital à Universidade.

Infelizmente, Zago seguiu com sua intransigência na gestão da universidade: reduziu a prioridade de gastos com o hospital, sendo que cerca de 12% do quadro efetivo de profissionais se perdeu.

O HU, talvez, viva hoje o momento mais difícil de sua existência. Na última terça-feira (21), o pronto-socorro da pediatria foi fechado e, no dia seguinte, devido a falta de médicos, foi anunciado que o pronto-socorro para adultos também será fechado. Diante desse cenário, estudantes de cursos da saúde entraram em greve e moradores do Butantã, no entorno da universidade, têm se organizado em mutirões no sentido de mobilizar a população para reverter essas medidas.

Nosso mandato vê com preocupação essa situação. A demanda por aparelhos de saúde na região é alta, e muitos deles possuem gestão terceirizada para a iniciativa privada, principalmente os serviços de baixa e média complexidade. Com a municipalização do hospital, a rede municipal terá um hospital a mais para manter, sendo que o orçamento de São Paulo para a saúde em 2018 será ainda menor que do último ano. Ou seja, teremos um bolo menor para repartir em mais fatias.

Estamos do lado da luta dos moradores e estudantes para reverter essa situação, afinal, assim como demonstrou a greve de 2014, apenas a organização coletiva é capaz de mudar a realidade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império