Foto: Arquivo pessoal

Hoje vim aqui com esse sorriso no rosto pra falar que já fracassei, já errei, já fui preconceituosa, já tive raiva, já guardei rancor e uma série de sensações ruins humanas.

É Zentee, tá tudo bem errar, o foda é persistir no erro.

Vivemos nessa onda cibernética no qual o tempo todo estamos conectados (mesmo não querendo) a parecer ser, ou ser o que não é (que dá no mesmo).

Não vendo receita diárias de autoamor nos meus stories, quem me acompanha diariamente sabe qto to mal quando exponho essa realidade. Pq o fracasso me humaniza.

Em tempos de redes sociais as pessoas escolhem seus heróis virtuais, é tipo líder religioso que geral venera e fala que não tem erros e santifica a pessoa.

Recebo inúmeras msg que são mais um apelo gigantesco de socorro, pq as pessoas assistem às conquistas das outras e tentam assemelhar com a realidade que vivem e não consegue enxergam frações de felicidades que a façam feliz.

Acaba gerando uma dependência, ansiedade e depressão levando alguma a interromper suas próprias vidas.

Aos criadores de conteúdo, sejamos empáticos e cuidadosos com o que compartilhamos nas redes e aos demais entendam que as pessoas que vc segue têm os mesmos ou outros problemas igual a vc, ela só não expõem.

Essa perfeição que a gente cria só tá na nossa cabeça.

Hoje eu comemoro até meus fracassos pq foi através deles que eu construí coisas melhores e qdo estou triste acredito que é o meu momento de cura pra dar continuidade no caos/ordem da vida.

E você consegue ver perspectiva no fracasso? Sua ansiedade te trava?

Procure ajuda, fale com alguém, se precisar estou aqui, às vezes demoro pra responder pela quantidade de msg, mas respondo!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?