.

O desgoverno temerário acena, favoravelmente, aos grileiros, na Amazônia, através da MP 759.

Os povos que convivem com a floresta estão à mercê de uma política que, cada vez mais, se demonstra genocida.

O modelo atual de Agricultura, do agronegócio, que instiga ao desmatamento para ampliar a fronteira agropecuária, ameaça os ciclos da chuva e torna mais grave a crise hídrica.

Os chamados rios voadores, grandes responsáveis pelo ciclo da água, estão ameaçados pelo desmatamento das florestas.

O desmatamento, também, põe em risco de extinção o Cerrado, que ajuda no reabastecimento do aquíferos.

O desmatamento, inclusive, pode matar o rio São Francisco, o rio que custou a chegar!

A situação é simples: Ou acabamos com o desmatamento das nossas florestas, ou o desmatamento acaba conosco.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Não se faz fofoca com o assassinato de Marielle

Ericka Gavinho

Segurança pública e eleições

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: As relações de trabalho

Vinícius Lima

O que aprendi conversando com o invisível: Genival

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: As esquerdas no novo ciclo político

Vinícius Lima

SP Invisível: Maria aparecida de Jesus, mas pode me chamar de Doidinha

Tulio Ribeiro

O tango que os Argentinos não gostaram

Mônica Horta

A não-moda brasileira

Liana Cirne Lins

É hora do PT mostrar que aprendeu

André Barros

Lula será candidato?

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como direito e espaço de realização

André Barros

As 23 condenações de junho de 2013

André Barros

Maconha e receita tributária