Foto: Leandrinha Du Art

 

Conversando com uma amiga disse a ela que devido a tanto trabalho e afazeres de projetos que demandam de mim uma atenção exclusiva, achava que tinha perdido o tesão em sentir tesão por mim mesma. O fato é que em cima dos corpos femininos há uma pressão natural que a gente mesma coloca em cima da gente devido a naturalização de que somos máquinas operárias, para que tambem consigamos atingir no trabalho a perfeição absoluta e um certo “rendimento” , afinal nós temos que provar pra macho que somos mais e tão competente quanto eles e essa afirmação é constante e involuntária.

Quando vê estamos ali buscando ser o supra sumo da eficiência trabalhando igual uma doida.

Parece doido neh? O que fazemos com nós mesma resultado da maldita falta de equidade, não que esse seja o único motivo, mais se não é o maior é principal.

Se ocupar tanto a ponto de não se olhar como devemos e não é não se olhar por não gostar do próprio reflexo, é não se olhar por falta de tempo de se admirar, apreciar o que está vendo, acabamos deixando com que qualquer outra coisa consuma nosso tempo de se desejar.

Nos vemos apenas enquanto operárias e esquecemos que somos “mulheres operárias”, que somos produtivas, eficientes e suficiente pra nós mesmas. Que tenho habilidade em me fazer sexy quando quero não é segredo pra ninguém, é como acionar um botão.

Ser sexy não é fazer uma foto com cara de estou gozando e sim é você também se sentir bem e plena sendo a mulher workarolic mais incrível do seu mundo e não do mundo dos outros.

Eram 03:30 da madrugada, eu trabalhei tanto, coordenei e sistematizei tanta coisa, criei, demandei uma porção delas e decidi mesmo cansada por a câmera do celular pra disparar automaticamente duas vezes, e sem esforço, bingo, aquele botão estava ligado.

Só precisava lembrar que ele existia.

Deixe o seu ligado, faz bem.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli