Foto: Leandrinha Du Art

 

Conversando com uma amiga disse a ela que devido a tanto trabalho e afazeres de projetos que demandam de mim uma atenção exclusiva, achava que tinha perdido o tesão em sentir tesão por mim mesma. O fato é que em cima dos corpos femininos há uma pressão natural que a gente mesma coloca em cima da gente devido a naturalização de que somos máquinas operárias, para que tambem consigamos atingir no trabalho a perfeição absoluta e um certo “rendimento” , afinal nós temos que provar pra macho que somos mais e tão competente quanto eles e essa afirmação é constante e involuntária.

Quando vê estamos ali buscando ser o supra sumo da eficiência trabalhando igual uma doida.

Parece doido neh? O que fazemos com nós mesma resultado da maldita falta de equidade, não que esse seja o único motivo, mais se não é o maior é principal.

Se ocupar tanto a ponto de não se olhar como devemos e não é não se olhar por não gostar do próprio reflexo, é não se olhar por falta de tempo de se admirar, apreciar o que está vendo, acabamos deixando com que qualquer outra coisa consuma nosso tempo de se desejar.

Nos vemos apenas enquanto operárias e esquecemos que somos “mulheres operárias”, que somos produtivas, eficientes e suficiente pra nós mesmas. Que tenho habilidade em me fazer sexy quando quero não é segredo pra ninguém, é como acionar um botão.

Ser sexy não é fazer uma foto com cara de estou gozando e sim é você também se sentir bem e plena sendo a mulher workarolic mais incrível do seu mundo e não do mundo dos outros.

Eram 03:30 da madrugada, eu trabalhei tanto, coordenei e sistematizei tanta coisa, criei, demandei uma porção delas e decidi mesmo cansada por a câmera do celular pra disparar automaticamente duas vezes, e sem esforço, bingo, aquele botão estava ligado.

Só precisava lembrar que ele existia.

Deixe o seu ligado, faz bem.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império