Imagem: The Collage Empire

Por Meio da Terra

Mercúrio entrou em Escorpião e a Lua também. Os primeiros graus desse signo fixo de água são como uma queda, da Vênus esvoaçante (Libra) pro Plutão magnético.

Plutão é o planeta referente ao deus que negou o Olimpo e foi criar seu próprio mundo, no subsolo. Lá, ele é livre pra fazer o que quiser, nas profundezas onde tudo o que é renegado se esconde.

Escorpião representa então os cortes com situações que nos aprisionam, a busca dentro de nosso submundo pelo que representa liberdade para nós. O segredo, a independência, as sombras. O lado B, o psiquismo, a dominação. Transformações.

Mercúrio e Lua nessa posição nos despertam inicialmente um choque, uma queda da leveza, para em seguida trazer a revolta e a força para lidar com o que é denso, seja abandonando, seja criando uma estrutura emocional resistente o suficiente para passar por tudo.

Num dia em que recebemos notícias de torturas, espancamentos, mortes, essa configuração faz doer no fundo do estômago, mas faz também crescer ali um calo, que nos fará enfrentar tudo de cabeça erguida.

O medo não é da alçada desse signo que sabe morrer e renascer. O sofrimento aqui ensina a rebrotar. A luta continua, e a malícia, poder e discrição de um Mercúrio escorpiano será nossa arma que não nos deixará morrer por dentro. Força, manas!

Texto publicado na página @meiodaterra e enviado para colaboração com a Mídia NINJA, por Luísa Lentz (mulher cis, mãe, astróloga) e Mel Bevacqua (travesti, mãe, taróloga).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle