Imagem: The Collage Empire

Por Meio da Terra

Mercúrio entrou em Escorpião e a Lua também. Os primeiros graus desse signo fixo de água são como uma queda, da Vênus esvoaçante (Libra) pro Plutão magnético.

Plutão é o planeta referente ao deus que negou o Olimpo e foi criar seu próprio mundo, no subsolo. Lá, ele é livre pra fazer o que quiser, nas profundezas onde tudo o que é renegado se esconde.

Escorpião representa então os cortes com situações que nos aprisionam, a busca dentro de nosso submundo pelo que representa liberdade para nós. O segredo, a independência, as sombras. O lado B, o psiquismo, a dominação. Transformações.

Mercúrio e Lua nessa posição nos despertam inicialmente um choque, uma queda da leveza, para em seguida trazer a revolta e a força para lidar com o que é denso, seja abandonando, seja criando uma estrutura emocional resistente o suficiente para passar por tudo.

Num dia em que recebemos notícias de torturas, espancamentos, mortes, essa configuração faz doer no fundo do estômago, mas faz também crescer ali um calo, que nos fará enfrentar tudo de cabeça erguida.

O medo não é da alçada desse signo que sabe morrer e renascer. O sofrimento aqui ensina a rebrotar. A luta continua, e a malícia, poder e discrição de um Mercúrio escorpiano será nossa arma que não nos deixará morrer por dentro. Força, manas!

Texto publicado na página @meiodaterra e enviado para colaboração com a Mídia NINJA, por Luísa Lentz (mulher cis, mãe, astróloga) e Mel Bevacqua (travesti, mãe, taróloga).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Caetano Veloso

Caetano Veloso entrevista Guilherme Boulos

Dríade Aguiar

Maria, Maria sou Dona De Mim

Fatine Oliveira

Minha deficiência não está disponível para caridade

Ivana Bentes

Ivana Bentes: A educação vai para o espaço

Caetano Veloso

Caetano Veloso entrevista Roger Waters

Tulio Ribeiro

Israel avança com genocídio e prende criança de oito anos

Ana Júlia

Ana Julia: Ideologias e pensamentos políticos existem. Aceite isso.

Joana Mortagua

Sérgio Moro, o rei nu

Tulio Ribeiro

O neoliberalismo semeia a pobreza que faz os hondurenhos migrarem

João Brant

O que levou Bolsonaro ao Planalto: um balanço das eleições de 2018

NINJA

Opinião: Cai de vez a máscara de Moro

Sonia Guajajara

Sonia Guajajara: Democracia pela mãe terra

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século