Bancada Feminista do PSOL

Ricardo Nunes prefeito de São Paulo. E agora?

A coligação “Todos por São Paulo” tentou esconder ao máximo o candidato a vice, hoje prefeito Ricardo Nunes, durante o processo eleitoral de 2020. Por que será?

100 dias de Covas em SP

Em meio à sofrida e trágica pandemia da Covid que atinge o mundo, a cidade de São Paulo segue a reboque das ações de marketing do governador João Dória, sempre guiadas pela “ciência”... do mercado.

Por que a renda emergencial é tarefa do feminismo popular?

A Câmara Municipal de SP vota nesta semana alterações na proposta de prorrogação da renda de 100,00 por três meses feita pelo prefeito Bruno Covas. Nós, da Bancada Feminista, colocamos nossos esforços na aprovação da regra que dobra esse valor para mulheres que são mães, sustentam e cuidam sozinhas de seus filhos em São Paulo.

Mais pão e menos pedras: pela renda emergencial em São Paulo

Desde de janeiro, as famílias mais vulneráveis em SP sentem a gravidade da extinção do auxílio emergencial federal, somada ao desemprego, que pode chegar a 17% ainda no primeiro semestre, segundo economistas. Pouco se fala que o índice de desemprego na cidade de São Paulo foi maior que média nacional em 2020, de acordo com os dados do IBGE.

Parlamentares trans não serão interrompidas

Em apenas uma semana, as três parlamentares trans eleitas para Câmara de Vereadores na cidade de São Paulo foram ameaçadas com tiros de arma de fogo em suas residências e invasão de gabinete.

No espelho, Manaus

Macas transformadas em câmaras de asfixia; braços de profissionais da saúde ventilando mecanicamente, à exaustão, o pulmão de pacientes à beira da morte; parentes desesperados esperando, em vão, a chegada de cilindros de oxigênio.

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?

Mal começou o ano e os integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) já iniciaram sua guerra lacradora contra os mandatos coletivos eleitos para a Câmara Municipal de São Paulo. O vereador eleito, Rubinho Nunes, anunciou em suas redes que irá “derrubar” esse tipo de mandato. Mas por que o MBL teme tanto esses mandatos?

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Era o dia 29 de setembro de 2018. Mulheres de todo o país lideraram o que foi uma das maiores manifestações políticas dos últimos anos. Era véspera do primeiro turno das eleições que, posteriormente, confirmaram a eleição de Jair Bolsonaro à presidência da República.