Foto: Mídia NINJA

Em 2013, um dos lemas mais fortes da multidão que tomou o Brasil foi: “A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura”. O grito ecoou tão forte que, depois de décadas, o grupo Globo foi obrigado a fazer uma autocrítica para não seguir desmoralizado em praça pública.

A Globo também apoiou o novo golpe, que foi a deposição da presidenta Dilma, reeleita em dois turnos, que não havia praticado crime de responsabilidade nem crime comum, pois sequer foi processada na Justiça. A Ordem dos Advogados do Brasil também apoiou o golpe militar e o golpe contra a Dilma, mas logo percebeu que havia cometido dois grandes erros. No golpe militar, advogados como Heleno Fragoso, George Tavares e Augusto Sussekind foram presos clandestinamente. A resistência da instituição e de brilhantes e corajosos advogados como Técio Lins e Silva foi forte. Tanto que uma carta bomba matou Dona Lyda Monteiro, secretária do então presidente da OAB Eduardo Seabra Fagundes, a quem havia sido endereçada.

Ante os ataques ao atual presidente Felipe Santa Cruz, a Ordem dos Advogados do Brasil começa a sentir as consequências de sua absurda decisão de ter apoiado o golpe contra Dilma. Bolsonaro ofendeu a família do presidente da OAB e todas as famílias que tiveram seus parentes torturados, assassinados, desaparecidos, que não enterraram seus entes queridos, como aconteceu com Fernando Santa Cruz. Em filme recente de Beth Formaggini e em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, o “Pastor Cláudio” diz que ele mesmo incinerou o pai de Felipe numa usina de cana de açúcar em Campos dos Goytacazes (RJ).

A Rede Globo e a OAB não podem ficar omissas diante do que vem acontecendo no Brasil. Todas e todos devem ser chamados à responsabilidade agora, pois o futuro pode ser a barbárie, ainda muito pior que o devastador legado da ditadura militar ao país.

Nosso presente é a incineração da Floresta Amazônica, milhões de brasileiros na miséria e morando nas ruas, assassinatos de indígenas, fuzilamento de negros nas favelas. Não se pode tapar o sol com a peneira comemorando um irrisório aumento de 0,4% do PIB em rede nacional. Isso nos faz recordar os ataques aos midiaticamente chamados “pibinhos” do governo Dilma Rousseff.

Não estamos exagerando: a fumaça da poluição que cobriu a cidade de São Paulo às 15 horas aconteceu. As verbas dos programas sociais Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, FIES e abono salarial já foram reduzidas no orçamento para o ano que vem e milhões de brasileiros estão voltando à miséria. O aumento de assassinatos de negros e pobres nas favelas do país cuja polícia é a que mais mata no mundo está acontecendo. É a farsa da política racista de guerras às drogas, que só ataca o varejo da favela, enquanto libera bilhões do tráfico lavados por doleiros, mais ainda com o fim do COAF.

A responsabilidade é atual, pois pode ser que não sobre nada nem mesmo para se fazer a autocrítica depois. Bolsonaro precisa ser retirado imediatamente da Presidência da República.

ANDRÉ BARROS é advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sócio Popular e membro do Institutos dos Advogados Brasileiros

A verdade é dura: apoia o Bolsonaro e apoiou a ditadura

Posted by André Barros on Tuesday, September 3, 2019

 

 

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império