Foto: SP Invisível

Se você andou nas ruas de São Paulo, nos últimos anos, principalmente no centro da cidade, claramente notou o crescimento no número das pessoas em situação de rua da cidade. Não havia censo, pois o último registro desse número era de 2015, que contava 15.905 nessa situação de vulnerabilidade em São Paulo. Porém, amanhã a prefeitura irá lançar o novo censo. A coluna da Mônica Bergamo na Folha de São Paulo já divulgou alguns números e confirmou o que todos percebiam: o aumento da quantidade de pessoas nas calçadas da de São Paulo.

Em apenas 4 anos, o número cresceu mais que a metade, mais especificamente em 60%. Hoje, a cidade conta com 24.344 pessoas nas ruas. Esse número cresceu, em paralelo com o desemprego da cidade.

Isso reflete nas histórias que ouvimos no SP Invisível. Quando começamos, em 2014, ouvíamos muitas histórias que nos diziam – “vim do Nordeste, há muitos anos, consegui um emprego na construção civil, mas vim para a rua faz tempo” – histórias com mais tempo de rua, de uma maioria nortista ou nordestino. Hoje, conhecemos muitas pessoas que estão há um ano, meses ou semanas nas ruas e são daqui mesmo, de São Paulo, mas ficaram desempregadas.

Sozinho a vida é muito mais difícil. Sempre pergunto – “é possível confiar em alguém aqui? Você tem amigos na rua?” – A resposta é quase sempre a mesma, “não”. Isso se deve porque, antes de perder emprego ou perder casa, quem está na rua perde os vínculos, as pessoas. Na pesquisa, mostra que dentre os principais motivos que levaram a essa situação estão os conflitos familiares e o falecimento de parentes. Tudo relacionado aos vínculos. Os relacionamentos são muito importantes para quem vive na rua, são parte da sua identidade, isso que mostro no documentário “A sós – Relacionamentos em situação de rua”.

O racismo está presente em todo lugar. Na rua não é diferente. 69,3% das pessoas em situação de rua são pretas ou pardas e 28% são brancas, além das 1,7% indígenas e 0,9% amarelas. A invisibilização das pessoas em situação de rua é intencional e racista. Podemos ver isso pela ênfase e o cuidado que tratam histórias como a da Loemy Marques e de outros casos que a grande mídia adora contar e “recuperar”, enquanto há um descaso com todas essas 69,3% de histórias. São Paulo é uma cidade higienista. São Paulo é uma cidade racista.

Quanto a idade, não houve muitas mudanças entre o censo de 2015 e o de 2019. A maioria das pessoas em situação de rua tem entre 31 e 49 anos. Porém, é possível ver um aumento da proporção de crianças nas ruas. Em 2015, havia apenas 2,5% de crianças nas ruas, cerca de 403 crianças até 11 anos. Hoje, 3,9% do total de pessoas nas ruas são crianças, esse número é quase de 1000 crianças. Você já deve ter percebido isso quando alguma moça te aborda para pedir fralda ou leite para seus filhos, perto de uma farmácia. Cenas e números como esses, obrigam nossa cidade a pensar em questões como a de primeira infância e educação básica para essa população.

O censo será lançado na íntegra, amanhã (31). Sua importância é muito grande para facilitar, desde a organização de uma simples entrega na rua, até políticas públicas para as pessoas em situação de rua. Porém, o número de pessoas em situação de rua cresce a cada mês. Não se pode esperar quatro anos para ter um próximo censo, pois precisamos dele para trabalhar na redução desse número, inclusive.

Como criar campanhas de enfrentamento ao racismo e ao machismo nas ruas, se não sabemos o número de negros e mulheres nas ruas? Como criar uma política de saúde da mulher para a mulher em situação de rua? Como criar uma escola para todas as crianças da rua, se não sabemos quantas crianças existem nas ruas? Quantos são albergados e quantos estão na rua? Tudo isso, o censo nos mostra, por exemplo.

Além de dificultar a criação de políticas públicas, a falta do censo contribui com a invisibilização das pessoas em situação de rua, apesar do seu crescimento ser visível. Não sabemos se o próximo será apenas em 2023, 2025, 2030 ou ano que vem, já. Porém, esses números nos colocam diante de dois desafios: reduzir o número de pessoas em situação de rua para o próximo censo, tratar a vida na rua com dignidade enquanto não reduzimos esse número.

Para reduzir esse número, há apenas uma saída: casa. Existe um ditado na rua que diz – “dignidade é chave e endereço”.

Porém, é urgente políticas que deem a eles um banheiro, um bebedouro, emprego, refeição, assistência à saúde mental e várias outras demandas que podem ser encontradas a partir da escuta. Também é urgente políticas de conscientização sobre a vida nas ruas, para que não haja mais ações criminosas, como a morte de Carlos Roberto que foi queimado enquanto dormia.

Espero que com esses números, as organizações, as igrejas, os coletivos, os ativistas e os políticos que atuam com essa pauta, possam criar políticas e realizar ações que humanizem os invisíveis da cidade e dê a eles a dignidade necessária. Até porque, números são importantes, mas quando olhamos para a rua, não vemos números, vemos seres humanos e vemos histórias, assim como as nossas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família