.

O mundo contemporâneo estabelece cada vez mais uma relação de dependência dos recursos naturais, na economia e na política, seu controle é sinônimo de poder. Nesta abordagem, se torna imprescindível as fontes de petróleo e gás, insumos determinantes para mover a cadeia produtiva atual. Elaborou-se assim, a teoria intitulada de “Maldição dos Recursos Naturais”, onde se estuda as turbulências internas e externas oriunda de nações que possuem originalmente fonte destas riquezas em grande escala.

Internamente pela disputa da forma de distribuição desta renda, e externamente a ambição das potências mundiais de apropriarem destas reservas para incentivar suas economias. Caso se estes recursos como no Brasil englobem a maior floresta do mundo , o aquífero máximo do planeta , vastas terras agricultáveis , estoques fartos de minérios,um mercado de 210 milhões de pessoas e grandes companhias desvalorizadas, se fomenta uma cobiça ainda maior.

A visita do Secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Norman Mattis, arremete sobre tudo isto. Neste conjunto de ideias ainda se apresenta o interesse sobre a base de Alcântara, que por estar próximo a Linha do Equador exige menos tempo e custos para lançamento de satélites. Na geopolítica, se apresenta o interesse de terceirizar uma invasão à Venezuela com seus 296 bilhões de barris de reserva bem como desconstruir a UNASUL. Mas o maior propósito é afastar o Brasil do seu maior parceiro comercial: China. Estes foram os pilares do objetivo do discurso estadunidense em sua visita ao país:

Os EUA e os países da América Latina, em especial o Brasil, tem uma história partilhada por proximidade geográficas e democráticas, outros não podem dizer o mesmo.Washington tem disposição de ter uma relação mais forte com o Brasil, que precisa saber a importância de escolher seus sócios. Possuímos o dever de advertir sobre a dependência tecnológica e econômica com países que não estão alinhados com nossa forma democrática de proceder.

Os Estados Unidos declararam que 2018 seria ” o ano das Américas”, procurando restabelecer o antigo controle militar e político da região. Na prática, uma advertência a influência crescente da Rússia e China no continente. A visita ao Brasil, Argentina, Chile e Colômbia visou acelerar o desmantelamento das instâncias autônomas da integração regional. Nesta perspectiva, a fidelidade de governos de direitas no hemisfério sul garante o comando aos anglo-americanos.

James Mattis é conhecido também como “cachorro louco” pelo seu poder e modo de matar, um representante da indústria bélica e seus interesses violentos. Em 1991 comandou a Guerra do Golfo, em 2002 a invasão ao Afeganistão e no ano posterior a do Iraque. Foi nesta última chefia ao aniquilar grupos sunitas e xiitas, que profetizou a sua frase histórica:” Se me incomodarem, matarei todos eles”. O resultado foi a eliminação comunidades inteiras, no caso iraquiano , passados 15 anos ainda se tenta reconstruir seu Estado depois da destruição e o saque promovido pelo governo estadunidense.

Aparentemente James Mattis , ao discursar na Escola Superior de Guerra, poderia parecer estar discorrendo sobre estratégia e segurança, mas na verdade procura aprofundar o maior roubo do século. Assim como realizou no Iraque, desta vez no Brasil, apossaram-se de poços de petróleo,absorveram a Embraer,enquanto ambicionam o Centro de Lançamento de Alcântara e o Aquífero Guarani. Na incapacidade de competir com a China numa globalização que eles mesmos criaram,retornam a colonização de “Nuestra America”, reforçando mais um ciclo de acumulação do seu capitalismo em detrimento do futuro dos latinos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil