Nas últimas semanas a CPI da Pandemia foi abastecida com novos documentos e informações que reforçam as suspeitas da montagem de um esquema destinado ao desvio de recursos públicos por meio da aquisição de vacinas contra o novo coronavírus para serem utilizadas na imunização do povo brasileiro. O que pode ter sido interpretado por alguns como um caso isolado é, na verdade, um dos mais sofisticados esquemas de corrupção já descobertos que contava, inclusive, com um roteiro ensinando a fraudar licitações públicas.

As investigações ainda demonstram que foi aproveitada a estrutura criminosa anteriormente montada no Ministério da Saúde para que também abarcasse a nova oportunidade de sangria dos cofres públicos representada pelas negociações para compra de imunizantes contra o coronavírus. Os personagens e empresas envolvidos nas negociatas são conhecidos do Poder Judiciário, investigados em processos relativos a contratos firmados no passado com a pasta.

A base do governo insiste em qualificar como “narrativas” os múltiplos indícios e provas que mostram corrupção clássica nas negociações envolvendo a compra das vacinas, mas os fatos demonstram a falsa realidade perseguida pelos governistas: são conversas de whatsapp, ligações telefônicas, jantares e outros encontros fartamente documentados entre aqueles apontados como operadores do esquema, não faltando nem mesmo a presença de empresas de fachada e funcionários fantasmas, ilustrando a clássica corrupção e lavagem de dinheiro.

As reiteradas tentativas desses personagens em não comparecerem para prestar depoimento à CPI da Pandemia configuram outro sinal de que alguma coisa errada permeia essas negociações para compra de vacinas. Tentou-se de tudo: atestados médicos falsos, saída repentina do território nacional ou mesmo a fuga deliberada foram o comportamento padrão daqueles apontados como operadores do esquema convocados a prestarem informações à CPI.

As reações contrárias às investigações da CPI também cumprem expediente conhecido, isto é, são alvos de desinformação e fakenews por parte do governo federal, a exemplo de outros fatos relacionados à pandemia do novo coronavírus. A criação de inimigos imaginários, outro expediente conhecido, reforça a histeria do governo e evidencia o pavor com que acompanham as investigações. Aos poucos os responsáveis pelo genocídio são revelados.

O desespero é tamanho que motivou uma subida de tom de autoridades contra a normalidade democrática no Brasil. Cientes de seus crimes e da inevitável responsabilização, ensaiaram uma ruptura institucional que apenas serviu para demonstrar isolamento político e completa incapacidade de seguir na gestão do país. Paralelamente, novas ameaças foram feitas à CPI e seus membros. Saibam que não nos curvaremos diante nenhuma das milícias que formam a base de apoio do governo federal. Nada temos a temer.

O mais estarrecedor nisso tudo é saber que a montagem do esquema e as negociatas ocorriam enquanto brasileiros e brasileiras morriam aos milhares diariamente. A demora na compra de vacinas não se deve à escassez de doses ou algo similar, mas sim ao esquema criminoso montado no Ministério da Saúde para roubo de dinheiro público. E a CPI da Pandemia está provando isso, para ira e desespero dor criminosos envolvidos no genocídio de quase 600.000 mil brasileiros. Seus crimes serão expostos e seus nomes, conhecidos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Mariane Santana

A volta do ABBA e o futuro (presente) dos shows

Agatha Íris

Quem defende as crianças que são vítimas de abuso e estupro de vulnerável?

NINJA Esporte Clube

Pretos na Biblioteca: projeto idealizado por Gabizona do vôlei busca combater o racismo através da educação

NINJA Esporte Clube

A’ja Wilson: uma voz potente e necessária

NINJA Esporte Clube

Ginasta Luis Porto foca na preparação para próximas competições, após corte inesperado do Mundial 2021

Flávio Renegado

Vinte e Três Minutos… 

Márcio Santilli

Direita rachada

Talles Lopes

Morro do Fogo: fé e luta quilombola

Bancada Feminista do PSOL

Sampaprev 2: um ataque a quem esteve na linha de frente contra a Covid

Lais Gomes

Me deixa reclamar!

Andréia de Jesus

Indígenas latinos são transformados sistematicamente em imigrantes por mais de 500 anos!

Laryssa Sampaio

O Peso do Pássaro Morto: perdas, reencontros, encontros e fim

Andréia de Jesus

Zema expressa todo seu preconceito social

Laryssa Sampaio

Pelo direito de pensar e decidir se queremos ou não ser mães

Márcio Santilli

Nem autogolpe e nem impeachment