Os números revelam que a insegurança não se limita apenas ao trajeto escolar, estendendo-se ao ambiente dentro da escola

Foto: Tania Rego / Agencia Brasil

Os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), divulgados nesta terça-feira, revelam uma realidade preocupante no Brasil no que diz respeito à segurança dos estudantes no trajeto até a escola. De acordo com os dados, o país ultrapassa a média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com 19% dos alunos de 15 anos relatando sentir-se inseguros durante o caminho para a instituição de ensino.

A média da OCDE, que reúne nações conhecidas como o “Clube dos Ricos” devido ao elevado PIB per capita e altos índices de desenvolvimento humano, é de 8%. Esse dado evidencia um cenário alarmante no Brasil, indicando que quase uma em cada cinco crianças enfrenta desafios de segurança no percurso diário para a escola.

Os números revelam que a insegurança não se limita apenas ao trajeto escolar, estendendo-se ao ambiente dentro da escola. De acordo com os resultados do Pisa 2022, 10% dos estudantes brasileiros não se sentem seguros na sala de aula, enquanto 13% relatam o mesmo em relação a outros espaços da instituição. Esses índices, embora ainda preocupantes, aproximam-se mais da média da OCDE, que registra, respectivamente, 7% e 10% nessas categorias.

Os dados foram coletados a partir da participação de mais de 14 mil alunos brasileiros em 606 escolas distribuídas por 420 municípios, abrangendo os 26 estados e o Distrito Federal em 2022. Além da questão da segurança, o Pisa destacou que o desempenho acadêmico dos estudantes brasileiros permaneceu baixo e estável desde 2009, apontando para a necessidade urgente de abordar não apenas os aspectos educacionais, mas também as condições de segurança enfrentadas pelos alunos no dia a dia.