Por Frei Sérgio Antônio Görgen ofm*

A Câmara dos Deputados, num momento importante de sintonia com os anseios da população brasileira, aprovou o Projeto de Lei da Agricultura Familiar (PL 735/2020) em 20/07/20, sintetizando e ampliando 26 propostas de diferentes parlamentares, com ampla participação dos Movimentos Sociais e Sindicais do Campo e forte protagonismo dos/as parlamentares de esquerda, com relatoria do Deputado Zé Silva (SD/MG). Foi batizada como Lei Assis Carvalho, em homenagem ao grande deputado federal do PT do Piauí, falecido recentemente. Vai agora para o Senado da República, onde também se espera aprovação, depois uma luta para sanção sem vetos e agilidade na implementação. Batalhas duras ainda pela frente.

Esta lei vai beneficiar famílias de pequenos agricultores, famílias camponesas, assentados, quilombolas, pescadores, extrativistas e indígenas no Brasil todo. Contribuirá para aumentar significativamente a oferta de alimentos no país, evitando simultaneamente, a fome e a inflação dos alimentos, abastecendo as cidades. Evitará nova onda de êxodo rural, que, sob todos os aspectos, seria desastroso para a vida do nosso povo.

Produzir a subsistência alimentar para o auto-consumo familiar, que será possível com o “Fomento Produtivo” aprovado na Lei, já terá um impacto social inimaginável. A soma dos instrumentos de política pública para o campo consagrados na Lei – fomento, crédito emergencial, garantia safra, programa alimentar emergencial, construção de cisternas, solução para endividamento, destaque para atividades produtivas das mulheres – serão importantes para a povo trabalhador do campo enfrentar a pandemia.

Terá grande importância também na ampliação da oferta de alimentos, diminuindo o risco da fome e da inflação. Mas terá também enorme impacto na dinamização da economia dos municípios do interior do Brasil. O camponês aplica o recurso que recebe no município onde mora. Com isto, ativa o comércio local, gera emprego, salva pequenas empresa de efeitos mais graves da crise. A Lei vai manter empregos e diminuir o desemprego.

Vai, inclusive, aumentar a arrecadação dos Estados e Municípios com a melhoria da atividade econômica. Um grande passo e um alento de esperança entre tantos desastres e um genocídio em andamento, com políticas genocidas no comando do executivo da República.

Esta conquista é fruto de unidade política, capacidade de formulação, ações táticas bem calibradas, articulação entre luta social e luta parlamentar. Mais que uma conquista material importantíssima, uma vitória política.

*Frade Franciscano, militante do MPA, autor de “Trincheiras da Resistência Camponesa

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Paternidade Ativa Feminista

André Barros

Blindador-geral da República

Felipe Milanez

Morreu Aritana Yawalapíti! Silêncio, choro e o luto com o Xingu

NINJA

O elitismo e o mal banal dos protestantes tradicionais no governo Bolsonaro

Eduardo Sá

“O movimento agroecológico reúne experiências e caminhos possíveis e desejáveis”

Eduardo Sá

“A questão da fome é real se houver um impasse e não se encontrar uma saída”

Ana Claudino

Quem tem medo de sapatão?

Márcio Santilli

Bolsonaro fora do mundo

Boaventura de Sousa Santos

Defesa dos indígenas contra a Covid-19

Daniel Zen

O excesso de esperteza pode devorar o esperto

André Barros

Negacionismo judicial

Daniel Zen

Um feminicida não pode ser ídolo em nossa sociedade

afrolatinas

Conheça a Pretaria BlackBooks, primeiro clube de leitura antirracista do Brasil

André Barros

Notícia-crime contra Bolsonaro por genocídio

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte