Por Diogo Carvalheiro de Lima

As recentes descobertas de trabalho escravo em vinhedos ligados à produção de vinho acedem um sinal de alerta e nos impõe a reflexão sobre a origem daquilo que consumimos. Quando somos informados de casos como esses, rejeitamos de imediato rótulos dessas bebidas, mas com o passar do tempo, o esquecimento e a falta de informação, somados à disposição nas prateleiras das grandes redes de supermercado, levam novamente produtos como esses às nossas mesas. A questão central aqui não é culpabilizar o consumidor, e sim elevar o nível de consciência e interesse sobre como são as cadeias produtivas.

O grande capital combina diferentes áreas de atuação, mas isso não aparece explicitamente. No caso do imenso rombo ocultado das contas da Lojas Americanas, não associamos de imediato o fato de seu maior acionista também ser o dono da Ambev que, em 2021, junto com a Coca-Cola, recebeu R$ 1,6 bi de Paulo Guedes e Bolsonaro. A mesma empresa cervejeira que era recordista de reclamações no antigo Ministério de Trabalho, agora ressuscitado pelo novo governo Lula. Trabalho escravo ou precarizado, golpes financeiros, ajudas como isenção fiscal e empréstimos a juros baixos são apenas alguns dos ingredientes das grandes marcas.

Do outro lado, os pequenos produtores, em muitos casos empresas familiares, são responsáveis por empregar mais gente por litro produzido. Possuem custos mais altos e dificuldades como uma legislação com exigências desproporcionais à capacidade de investimento. Não contemplando o pequeno produtor, usam da criatividade e desenvolvimento de técnicas de produção para oferecer variados estilos de cerveja com qualidade a um preço justo.

Outro ponto importante da pequena produção é o circuito curto. Cervejas que viajam grandes distancias requerem mais conservantes artificias, isso não é bom para nossa saúde. Quanto mais próxima a produção do local de consumo, mais fresca e melhor fica a nossa querida cervejinha.

A proximidade também contribui para melhor conhecer os produtores, seus métodos, ingredientes e propostas, criando assim uma relação comunitária, diferente da forma fetichizada com que a indústria pretende atrair consumidores.

Apoie o pequeno produtor!

Beber é um ato político!

Diogo Cavalheiro de Lima é cervejeiro e militante do Movimento dos Pequenos Agricultores.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas