A volta da fome e comida cara para a população de um país agrícola, que já tinha superado essas duas situações, são desgraças da sociedade brasileira. Várias causas imediatas mais conjunturais ajudam a entender o que se passa. Desemprego, redução da renda da população levam à fome, pois falta dinheiro para comprar comida. No entanto, esse cenário não explica a inflação dos alimentos. A baixa procura pela crise social deveria fazer o preço baixar. Mesmo assim, os valores nos supermercados subiram muito nos últimos meses. E isto já vinha acontecendo antes da pandemia

O que está acontecendo é que tem pouca comida em oferta no mercado. Quando a oferta é baixa, os preços sobem. É o que se chama de “inflação de escassez”. Como o povo de um país que se vangloria como um dos maiores produtores de alimentos do mundo enfrenta essa situação? A produção que bate recordes e aparece nos meios de comunicação é, sobretudo, para a exportação e se concentra em poucos produtos, como soja, milho, carnes e açúcar. Esta é a característica do agronegócio brasileiro.

A economia brasileira vai mal com Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. O dólar está valorizado e “puxa” os preços internos para cima. Além disso, o cultivo da commodity soja ocupa cada vez mais o espaço da produção que, de fato, vai para a mesa do povo, como feijão, arroz, batata, mandioca e hortigranjeiros. Com isso, o governo importa esses produtos, mas como o real está desvalorizado, o preço é alto.

O governo culpa a seca. Em parte, é verdade. Tanto que a seca prejudicou a produção de feijão, mas não a da soja, plantadas no mesmo período. Desde o governo Michel Temer, a produção de alimentos do abastecimento popular não tem apoio governamental. Tudo foi entregue às “forças do mercado”. O mercado planta o que dá dinheiro imediato, como soja, milho e carne.

Entre as políticas públicas desmontadas com impactos desastrosos no preço dos alimentos está a desestruturação dos estoques públicos da Conab (Companhia de Abastecimento), que regulavam os preços para os agricultores e consumidores. Só políticas públicas de governo poderiam equilibrar essa situação, aumentar a produção e a oferta de alimentos e diminuir a inflação e combater a fome.

Só que isso não está na pauta deste governo, que não quis sequer comprar as vacinas de coronavírus para salvar a vida dos brasileiros. Agora, fica de costas para o problema do encarecimento do preço dos alimentos. No entanto, a dor da fome e da inflação vai continuar batendo no estômago e no bolso. O povo brasileiro não vai esquecer e dará o troco.

Neste mês da alimentação (o dia foi celebrado em 16 de outubro), é necessário plantar alimentos, esperança e luta, que são os fertilizantes vivos para colher um Brasil sem fome e sem miséria….

Frei Sérgio Antônio Görgen, 65 anos, é franciscano, militante do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores) e autor de “O Plano Camponês” (Editora Instituto Cultural Padre Josimo).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas