Flocão de milho agroecológico Velho Chico, produzido pelos companheiros do MPA no estado de Sergipe.

Por Andresa Paiva, Elielma Vasconcelos e Humberto Palmeira*

Produção agroecológica

O Movimento dos Pequenos Agricultores, em seus 25 anos de luta, afirma a produção de alimentos saudáveis para o nosso povo. Neste momento, mais do que nunca, a fome é um problema que assola milhões de famílias brasileiras, e o governo, mais uma vez, desmonta as poucas políticas que contribuíam para produção de alimentos no Brasil. E seguindo nessa conjuntura organizar a produção e a distribuição de alimentos é um ato de resistência e enfrentamento às grandes redes atacadistas que controlam o mercado de alimentos no país. Por isso, o MPA, no estado de Sergipe, está organizando junto aos camponeses e camponesas o cultivo de milho agroecológico, para a produção do Flocão Velho Chico e garantir o nosso cuscuz de cada dia que alimenta o povo brasileiro.

De onde vem o cuscuz?

Há registros do cuscuz entre os anos 300 a.c e 200 a.c, que tem sua origem nos povos Berberes da região de Magrebe no Norte da África, hoje territórios que correspondem aos países da Tunísia, Argélia e Marrocos. Ele chegou ao Brasil no processo de colonização portuguesa e atualmente, é o queridinho do nordeste, além de outras regiões do país. O Brasil é um dos maiores produtores de milho do mundo o colocando-o no 3° ranking em 2020, sendo superado apenas pelos Estados Unidos e China. No entanto, desde o ano 2003 com o aumento a liberação de variedades de milhos transgênicos, acompanhamos uma verdadeira destruição em massa dos hábitos alimentares, e hoje, encontrar algum derivado livre de milho de transgênico no mercado é o mesmo encontrar uma agulha no palheiro.

Agora, é vez do Cuscuz agroecológico!

Soberania alimentar significa enfrentar a padronização dos hábitos alimentares e a luta contra a destruição da cultura alimentar e, com o nosso Flocão de milho agroecológico, afirmamos uma produção que contribui para o fortalecimento da nossa identidade cultural e de classe, que em tempos de ultraprocessados significa defender o ato de comer saudável.

O nosso cuscuz demonstra o afeto de semear e colher não transgênicos, mantendo as raízes culinárias que garantem a formação da base alimentar e nutricional, pois cultivar o milho agroecológico, para produção do Flocão Velho Chico, representa a nossa luta diária pela soberania alimentar e a mensagem que levamos em defesa do direto de comer de todo o povo brasileiro.

*Militantes do Movimento dos Pequenos Agricultores

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

NINJA Esporte Clube

Brazilian Storm: Brasileiros chegam às finais da WSL, têm título inédito consagrado e estão entre os melhores do mundo

Movimento dos Pequenos Agricultores

O povo quer feijão e não fuzil: o Rio de Janeiro também produz feijão agroecológico

NINJA Esporte Clube

Corinthians supera Palmeiras e sai com vantagem pelo título do Brasileirão Feminino

Fred Maia

Correio deselegante de um flerte golpista

Renata Frade

Brasileiras combatem preconceito e racismo no sistema de saúde dos Estados Unidos 

Márcio Santilli

A peça que falta

Renata Lima

Aumento da pornografia infantil nas redes sociais e jogos online durante a pandemia

Juca Ferreira

O golpe virou tiro no pé

Márcio Santilli

Terras Indígenas: dá para resolver

Ana Claudino

Visibilidade lésbica é um direito humano!

Jorgetânia Ferreira

Assistam Valentina: a força do interior de Minas trans

William Filho

Por que tantas pessoas estão cultivando maconha?

Juca Ferreira

O tigrão golpista virou um gatinho democrático?

Luana Alves

Vacinação, segunda dose e defesa da vida nas periferias!