O que você faria se a sua mãe morresse dentro de casa, sem diagnóstico, mas com suspeita de infecção pela Covid-19, sem que tenha sido assistida ou internada, sem que se disponha de serviço funerário, cova ou caixão?

Imagine pessoas levando corpos de entes queridos para igrejas, não tendo como mantê-los em casa pelo risco de contaminar a família toda. Acrescente a dor do abandono à dor da perda, da não despedida a pessoas de corpo e de espírito às centenas, senão, milhares. Tente escutar o pranto dos que ficam, sentir o sabor do lamento envolto em raiva, inconformismo e frustração.

Esses são os sentimentos que pairam sobre Manaus e sobre o Amazonas. Embora a epidemia espalhe-se pelo Brasil inteiro, não há como negar um olhar específico e solidário com os brasileiros do Norte.

O Amazonas é o quinto estado brasileiro no total de infectados confirmados e de mortos pelo novo coronavírus. Porém relativamente à população, a incidência e as vítimas fatais chegam ao dobro em comparação com São Paulo, que é o epicentro da epidemia no Brasil.

Mais da metade da população do Amazonas – que tem mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados de extensão – vive em Manaus, que é o único dos 64 municípios do estado que dispõe de leitos de UTI! Com 2,2 milhões de habitantes, é a maior cidade, centro comercial e de serviços para toda a Amazônia Ocidental.

Várias empresas estrangeiras, inclusive asiáticas, dispõem de unidades montadoras na Zona Franca de Manaus, onde também há um fluxo considerável de turistas, inclusive estrangeiros, o que ajuda a explicar a chegada rápida e avassaladora da epidemia na cidade, apesar da sua grande distância de São Paulo e do Rio de Janeiro, principais portas de entrada para o vírus no país.

O número de testes realizado na cidade é irrisório, o que contribui para o aumento da transmissão do vírus por assintomáticos e retarda o isolamento dos suspeitos de contágio. Mas, certamente, foi decisivo o índice de isolamento social abaixo da média nacional, já insatisfatória. Houve um volume de chuvas ainda maior do que o normal nos primeiros meses do ano e especula-se que a alta umidade relativa do ar pode ter potencializado o contágio.

A situação dos 30 mil indígenas que vivem na capital amazonense é ainda mais desesperadora. A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) diz que os índios que vivem nas cidades devem ser atendidos pelos serviços convencionais do SUS e sequer contabiliza os casos e as mortes provocados pelo SARS-CoV-2 entre essas pessoas. Elas sempre estiveram no fim da fila da assistência por causa do preconceito, das distâncias entre a periferia, onde moram, e as unidades de atendimento e da inépcia das políticas de prevenção em saúde. O problema agravou-se com a crise sanitária. Em Manaus, tudo isso soma-se à paralisação da venda do artesanato e da promoção de atividades culturais, importante fonte de renda dessas comunidades.

Num momento grave como este, em que colapsa o sistema de saúde de uma metrópole carente, não se pode deixar de questionar o baixo investimento pelos governos estaduais, nos últimos anos, na estrutura de saúde, formação dos profissionais, saneamento básico e outras demandas sociais, enquanto se gastava o que não se tinha em obras caras, superfaturadas e não prioritárias, como a da “Arena da Amazônia”, um mega estádio construído para a Copa do Mundo por mais de R$ 700 milhões e que, agora, não serve para nada. A corrupção em obras públicas não é uma prerrogativa amazonense e a observação serve para todo Brasil, mas também lá alcançou proporções amazônicas.

Espero, com o coração aflito, que arrefeça essa praga que se abateu,  com tanta força, sobre Manaus e suas gentes. Que as almas se libertem e encontrem os seus caminhos e que os que ficam aprendam, com a tragédia, a não mais tolerar o descaso com a saúde, com o interesse público e com a vida.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?