No encerramento de cinco dias de reunião do Partido Comunista da Coreia do Norte, o presidente Kim Jong-un declarou, pouco antes da virada do ano: “Devido às ações imprudentes dos inimigos para nos invadir, é um fato consumado que uma guerra pode eclodir a qualquer momento na península coreana”. Ele exigiu prontidão ao Exército para garantir o controle sobre a península, recorrendo ao arsenal nuclear se necessário.

Presidentes da Coréia do Norte e do Sul em encontro histórico em 2018. Foto: YouTube

Como não há informação sobre nenhuma ação para invadir a Coréia do Norte, pode ter sido apenas mais uma declaração bélica de Kim, focada no controle político sobre o seu público interno e não na deflagração de uma ofensiva militar contra a Coréia do Sul. Mas, logo no início de 2024, a Coreia do Norte disparou centenas de mísseis na linha de fronteira marítima.

No Leste Europeu, Vladimir Putin, em campanha para se manter na presidência da Rússia, intensificou bombardeios sobre a Ucrânia nos últimos dias de 2023 e a violência tem escalado desde o início do ano, após o ataque à cidade fronteiriça russa de Bélgorod. Apesar do impasse no front terrestre, o conflito segue sendo pródigo para testar novos produtos da indústria bélica. Não há solução à vista.

Oriente Médio

Intensificar o massacre sobre a Faixa de Gaza e promover ataques cirúrgicos contra a Cisjordânia, a Síria e o Líbano, parece ser, também, a única receita cogitada pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Ele sabe que o término do conflito levará à sua queda, como responsável pelo sucesso do ataque inicial do Hamas, dos reféns ainda em seu poder e do número inédito de baixas israelenses, inclusive por conta de erros do seu próprio exército.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel. Foto: Alan Santos | PR

No segundo dia do ano, Israel promoveu um atentado, com drone, a um escritório do Hamas em Beirute, Líbano, para eliminar Saleh al-Arouri, um dos seus dirigentes. Sábado passado, 83 foguetes foram disparados do Líbano, pelo Hezbollah, contra Meron, no norte de Israel, como “resposta inicial” ao atentado.

No dia 3/1, o Estado Islâmico (EI), que se supunha extinto, realizou um duplo ataque suicida em Kerman, Irã, matando 84 e ferindo mais de 200 pessoas numa procissão em homenagem ao general Qassem Soleimani, assasinado pelos EUA em 2020. O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, acusou o EI de agir a mando de Israel. O EI considera infiéis os xiitas, majoritários no Irã.

Nos dez últimos dias de 2023, com o aumento dos ataques de grupos xiitas do Iêmen, em retaliação à invasão de Gaza, o trânsito pelo Canal de Suez diminuiu 28% em relação ao ano anterior, de acordo com dados divulgados na quarta-feira pela Portwatch, plataforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Universidade de Oxford. Nos primeiros dias de 2024, as taxas de envio de contêineres pelo Mar Vermelho subiram 173%.

São os senhores da guerra que estão dando as cartas nesse início de 2024. Eles estão se impondo, dentro e fora dos campos de batalha, drenando trilhões de dólares para a indústria bélica e a amplificação dos conflitos. Seriam recursos essenciais para mitigar a miséria, a doença e a emergência climática. As vítimas indiretas somos nós. Aproveito a ocasião para, sinceramente, desejar um feliz 2024 para todos os leitores!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas