Fernando Collor foi deposto por corrupção. Dilma Rousseff, por pedalada fiscal. Roubar dinheiro público e produzir rombo fiscal são práticas graves, geram danos à população e a lei prevê sua punição, com a perda do mandato presidencial. E matar? Pode? Essa é a pergunta que não quer calar. 

Claro que não há como atribuir ao presidente, ou a quem quer que seja, a causa da tragédia inédita que se abate sobre a população brasileira, com mais de 7 milhões de infectados e de 180 mil mortos por Covid-19. Mas já não há como negar que atos e omissões do presidente e do seu governo agravam as consequências da pandemia, alongando a crise sanitária e o número de vítimas.

Desde o início da pandemia, o presidente optou por confrontar a verdade, com seguidas declarações minimizando a gravidade da doença (“gripezinha”) e das mortes (“E daí?”). O presidente afrontou, publicamente, todas as normas sanitárias mundialmente recomendadas para se enfrentar a pandemia, promovendo aglomerações, sem uso de máscara e sem respeitar o distanciamento necessário entre as pessoas. Bolsonaro e a maior parte dos seus ministros foram infectados e o Palácio do Planalto virou foco de contaminação.

Em 11/04, quando ultrapassamos as primeiras mil mortes, o presidente declarou que “o vírus já estava indo embora” e, agora, em 11/12, com os números indicando o recrudescimento da epidemia, com aumento de internações e rumo a 200 mil óbitos, o chefe da nação disse que a pandemia “já está indo embora”.

Confrontar a ciência e as evidências, espalhando o pior exemplo, é falta gravíssima, letal, criminosa. O primeiro ato pode ter sido “culposo”, fruto da ignorância, mas os seguintes, que desprezam as consequências dadas, caracterizam “dolo”, ou teimosia assassina deliberada.

Mas o presidente foi muito além de reiterar declarações falsas e exemplos nefastos. Ele promoveu a cloroquina, que é comprovadamente ineficaz para a cura da doença e pode provocar efeitos colaterais, investindo milhões na importação de insumos para a sua fabricação pelo Exército e determinando a sua distribuição até entre indígenas yanomami.

O presidente detonou ministros e o próprio Ministério da Saúde, entregando-o a um general despreparado e apalermado, que, em vez de atuar como ministro, aceita ser mero ajudante de ordens, que corrobora qualquer idiotice do superior sem poder orientá-lo e, ao contrário, se contradiz a cada dia frente a questões fundamentais. Funções técnicas foram militarizadas e a incompetência campeia solta, como mostrou o episódio do “esquecimento” de sete milhões de testes de Covid-19 num galpão do aeroporto de Guarulhos.

O presidente foi incapaz de liderar o país diante de crise tão grave. Jamais reconheceu o caráter heróico dos profissionais de saúde que enfrentam diretamente a epidemia. Multiplicou litígios com governadores e prefeitos, politizando uma questão que deveria unir a todos. Foi preciso que o Congresso Nacional aprovasse uma lei para instituir um plano específico de combate à epidemia entre povos indígenas, quilombolas e populações tradicionais. Foi preciso acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para que o governo apresentasse um plano – ainda sofrível – de vacinação da população em geral.

Trajetória criminosa

A questão da vacina deveria encerrar, de maneira trágica e bestial, a trajetória criminosa do presidente no trato da pandemia. Em outubro passado, quando vários países investiam no desenvolvimento de vacinas e no planejamento da vacinação, o presidente dizia: “todo mundo diz que a vacina que menos demorou até agora foram quatro anos. Eu não sei por que correm em cima dessa. Eu dou a minha opinião pessoal: não é mais barato e mais fácil investir na cura do que até na vacina?” Quanto o presidente acha que valem milhares de vidas?

Fato é que, enquanto vários países iniciam a vacinação em massa, o governo federal não sabe dizer quando disporá de imunizantes, sendo que os acordos já fechados, ou em negociação, para seu fornecimento são insuficientes para atender o conjunto da população. O plano apresentado ao STF é uma confissão de negligência, que despreza a urgência imposta por centenas de mortes diárias.

E o pior: Bolsonaro instaurou, por motivos políticos, uma “guerra da vacina”, levantando falsas suspeitas contra a Coronavac, produzida pela China e que será disponibilizada no Brasil em parceria com o governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantã. O mandatário ameaça, agora, editar uma Medida Provisória para, tardiamente, centralizar a vacinação, envolta na suspeita de que seu objetivo é tentar evitar que São Paulo, assim como outros estados que se interessam pela Coronavac, iniciem a imunização da população antes dos que se mantém dependentes do fornecimento federal.

A ignorância, com certeza, permeia os atos e omissões do presidente diante da pandemia. Mas ela não pode lhe servir como álibi, pois é deliberadamente reiterada o tempo todo, como uma inabalável profissão de fé na própria morte. Numa cerimônia militar na semana passada, Bolsonaro pronunciou uma frase de sublime aparência: “a liberdade vale mais do que a própria vida!” Mas o seu verdadeiro sentido é aterrador: ele não se importa em sacrificar milhares de vidas para boicotar as medidas de isolamento social e de prevenção que podem salvar milhares de vidas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?