A Câmara dos Deputados não votou ontem a Medida Provisória (MP) 910/2019, conhecida como “MP da Grilagem”. A bancada ruralista, o centrão e o gabinete do ódio juntaram-se para pressionar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pela sua aprovação. Maia consentiu em colocá-la em pauta, mas condicionou a votação à negociação de uma proposta de consenso, que não se concretizou. Ao final da sessão da Câmara de ontem, os líderes dos partidos acordaram deixar caducar a MP e apresentar um projeto de lei (PL) para tramitar em regime de urgência.

Os ruralistas chiaram e os ambientalistas comemoram. Mas só se ganhou ou perdeu tempo, pois Maia comprometeu-se com a votação da proposta rapidamente. O centrão, que fez tudo para votar a MP querendo bajular o governo em troca de cargos, fala em votar a matéria em dez dias, mas não se sabe, sequer, qual será o conteúdo do PL, que ainda será apresentado. Não se sabe se será a última versão do projeto de conversão da MP que circulou antes da não votação, ou a versão original da MP, ou algo ainda pior.

Continua sendo cabível questionar a urgência para se decidir um tema já regulamentado, ainda mais num contexto de pandemia, com a Câmara deliberando remotamente e sem espaço para aprofundar discussões e chegar a melhores soluções legais. A pressa deriva, justamente, do intuito criminoso dos grileiros em se aproveitar das dificuldades de mobilização social e de vigilância pelas instituições de controle para tornar fato consumado a apropriação de grandes extensões de terras públicas por fazendeiros e empresas do agronegócio.

Ruralistas, o centrão e a facção bolsonarista provavelmente têm votos suficientes para aprovar a MP, ou o PL, mas a questão tornou-se um escândalo nacional, com péssima repercussão na mídia e nas redes sociais. Artistas, juristas e organizações da sociedade civil fizeram fortes apelos e protestos contra a grilagem, constrangendo até os parlamentares mais diretamente envolvidos com crimes fundiários, que se deram conta de que o preço político a pagar ficou bem mais alto do que o esperado.

Mas a sofreguidão grileira vai persistir, assim como será decisivo manter a mobilização. Uns 60 milhões de hectares estão em jogo, em todas as regiões do país. O principal ativista pela legalização da grilagem é Nabhan Garcia, secretário de Assuntos Fundiários, que também trabalha para derrubar e tomar o lugar da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tendo a grilagem de terras públicas em escala como projeto principal.

O empate no primeiro round da legalização da grilagem é apenas o começo de uma longa batalha. Ainda temos que ver se a MP 910 vai mesmo caducar, sem que venha a ser votada até 19/05, seu  prazo final. E aí, a ver também que PL será este, se a bancada do grilo vai radicalizar, se o Maia vai manter o compromisso com a obtenção de acordo entre as partes e se a crise de governabilidade, tremendamente agravada nos últimos dias, não vai acabar atropelando essa pauta.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Lutar com firmeza e responsabilidade

Boaventura de Sousa Santos

A difícil construção do contemporâneo e do complementar

Gabriel RG

A cruzada do fundamentalismo capitalista contra a ciência

Ana Claudino

Seu silêncio não vai proteger você

Amara Moira

Manifestações em tempos de pandemia

Carina Vitral

Combater o fascismo é uma emergência

SOM.VC

CALL CENTER - Encontros Webnaries Performance and Música

Randolfe Rodrigues

Liberdade de imprensa é valor inalienável da sociedade civil

Dríade Aguiar

O que deveríamos estar fazendo no "Blackout Tuesday"

Fred Maia

Quando a montanha pariu um monstro

transpoetas

Demétrio Campos, presente!

André Barros

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal