O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, publicou um artigo, na última segunda-feira, no jornal O Estado de São Paulo, em que reconhece que o país está à beira de um “desastre” por causa das consequências sociais, econômicas e políticas da pandemia. “Nenhum país do mundo vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil”, afirma. E complementa: “enquanto os países mais importantes do mundo organizam-se para enfrentar a crise sanitária em todas as suas frentes, continuamos entregues a estatísticas seletivas, discórdia, corrupção e oportunismo”.

Curiosamente, o diagnóstico catastrófico do Mourão não significa uma autocrítica da omissão calamitosa do governo diante da epidemia, mas uma tentativa de atribuir a terceiros a responsabilidade por suas consequências, “pela maneira desordenada como foram decretadas medidas de isolamento social”. A sua análise desconsidera o fato de que todos os países que estão enfrentando a crise com melhores resultados que o Brasil adotaram, ou ainda adotam, medidas de isolamento social, que aqui foram boicotadas pelo presidente, com o aval de seu vice.

Para não ter que olhar no espelho, Mourão resumiu, em quatro pontos, o “estrago institucional que (…) está levando o País ao caos”, que, no entanto, envolvem meio mundo: “polarização”, “imprensa”, “governadores”, “magistrados”, “legisladores”, “federalismo”, “usurpação das prerrogativas do Poder Executivo”, “presidentes de outros poderes”, “prejuízo à imagem do Brasil no exterior”,“manifestações de personalidades”.

Parece que Mourão não percebe que sua narrativa acaba revelando o isolamento do governo em relação aos demais poderes da República, aos entes federativos e à opinião pública nacional e internacional. Ao ocultar o presidente como personagem principal da crise, o vice conclui com a mesma frase dissimulada com que inicia: “há tempo para reverter o desastre. Basta que se respeitem os limites e as responsabilidades das autoridades constituídas”. Ele quer nos convencer de que a salvação do desastre está em concentrar mais poderes nas mãos do maior responsável por ele próprio.

Mourão acha que a péssima imagem do Brasil no exterior não tem nada a ver com a orientação fundamentalista dada ao Itamaraty, com declarações ofensivas do presidente a outros países e seus dirigentes ou com a escalada do desmatamento e das queimadas na Amazônia e no Pantanal, mas deriva de manifestações de personalidades, com “acusações levianas” de que “o País ameaça a si mesmo e aos demais na devastação da Amazônia e no agravamento do aquecimento global”. Ou seja, para Mourão o desgaste de imagem não deriva dos fatos concretos, como a crise ambiental, mas de manifestações a respeito.

Não deixa de ser interessante que Mourão inclua, embora pelo avesso, a Amazônia e o meio ambiente entre as prioridades nacionais. Com isso, não deixa de reconhecer, também pelas avessas, o fracasso da sua própria atuação como presidente do Conselho Nacional da Amazônia, que assumiu a coordenação das ações de combate ao desmatamento e às queimadas.

Não é propriamente o Brasil que está fazendo mal a si mesmo. É o presidente quem o desgoverna, destrói instituições e políticas públicas, ataca os outros poderes e unidades da federação, ofende artistas, pesquisadores, jornalistas e organizações da sociedade, além de ser insuperável e persistente em atos e declarações que comprometem a sua própria imagem em todo mundo e, por tabela, afeta também a imagem do país. Bolsonaro e Mourão foram eleitos, mas grande parte dos seus eleitores já percebem que tomaram gato por lebre. Estamos próximos da metade do mandato e, logo mais, o povo brasileiro terá a oportunidade de evitar o prolongamento do desastre.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil