Bolsonaro é militar, mas foi afastado do Exército por mal comportamento, insubordinação, e desrespeito à hierarquia. Em 28 anos de mandato como deputado, defendeu com unhas e dentes os interesses corporativos de policiais e militares – apesar de, junto com os filhos, manter relações estreitas com milicianos. Como candidato, teve forte apoio entre policiais e militares, sobretudo de baixa patente. Mas a escolha do general Hamilton Mourão como vice, além do seu crescimento como opção contra o PT, facilitou a sua absorção pela hierarquia militar.

Como presidente, Bolsonaro reduziu o número de ministérios, mas nomeou mais militares entre ministros e altos dirigentes do que governos da ditadura. Mais importante: além de atenuar o impacto da reforma previdenciária para policiais e militares, Bolsonaro aumentou significativamente o gasto militar em plena crise fiscal, enquanto todos os demais serviços públicos sofreram cortes e desmontes.

Segundo bolsonaristas, os militares que “servem” ao governo não o abandonarão em nenhuma hipótese. “Se o Bolsonaro disser: fiquem!, eles ficam. Ordem não se discute, se cumpre!”, nas palavras da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

Com a nomeação do general Braga Netto para a Casa Civil, militares passaram a ocupar todas as funções ministeriais do Palácio do Planalto. Foi uma opção concomitante ao aumento dos conflitos do presidente com o Congresso e os partidos políticos, inclusive o PSL.

Porém essa compulsão por blindar-se, cercando-se exclusivamente de militares, pode ser sinal de fraqueza. O presidente está exausto. Alimentou conflitos e inimigos em excesso e perdeu aliados de primeira hora. Decidiu convocar manifestações de rua sobre os demais poderes para compensar a sua incapacidade de articulação política e interinstitucional.

É evidente que o general Braga Netto consultou o presidente quando fechou acordo com os dirigentes do Congresso sobre emendas ao orçamento federal. Mas o general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, foi flagrado, no palácio, acusando de chantagem os interlocutores do acordo e homenageando o Congresso com um sonoro “foda-se”. Foi o sinal para chamar radicais às ruas e ameaçar o Congresso.

O general Santos Cruz, após a sua demissão da Secretaria de Governo, tornou-se porta-voz informal de oficiais incomodados com os danos que Bolsonaro está causando à imagem do Exército, ao associá-la a decisões equivocadas, posturas radicais e erráticas. Enquanto a infecção pelo coronavírus avança nas hostes palacianas, a orientação no Ministério da Defesa é reforçar a imagem positiva das instituições militares junto à população e evitar associação a Bolsonaro.

“O Exército não deve servir ao governo, mas ao povo. O nosso papel é pela defesa da pátria e garantia da lei. Nós não somos servidores do governo, somos servidores do povo brasileiro. Os governos são carregados de programas partidários”, afirmou o general Alberto Mendes Cardoso no final do ano passado. Ele foi ministro da Casa Militar do governo Fernando Henrique, quando idealizou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Sua declaração reflete a posição predominante entre generais da ativa.

Também já havia sinais de fissuras no apoio ao presidente naquele período. Com a lei proposta pelo governo para reestruturar a carreira, os militares terão agora que permanecer 35 anos – cinco a mais – na ativa para se aposentarem, entre outras mudanças. Mas o que mais revoltou os praças foi que, até 2022, a lei prevê 45% de aumento nos salários dos oficiais e só 4% para as carreiras de baixa patente.

“Cabos e soldados estão com raiva do presidente e dos oficiais”, disse à Agência Pública o cabo reformado do Exército Marcelo Machado, presidente da Associação Nacional dos Militares do Brasil (ANMB). Há um sentimento de traição na base militar de apoio a Bolsonaro.

O presidente, a despeito da sua própria imprevidência, convocou as Forças Armadas para apoiar o combate à pandemia, o que seria esperável. O verdadeiro “posto Ipiranga” das mazelas tem sido o Exército, convocado para missões estranhas à sua função. Há um justo receio na tropa de que uma atuação improvisada e desaparelhada frente à crise de saúde grave e peculiar possa resultar em danos incalculáveis à saúde e à vida dos soldados e dos seus familiares.

Bolsonaro continua apostando em esticar ao infinito a corda dos conflitos. Ontem, em pronunciamento em cadeia nacional, teve a ousadia de contestar a política de isolamento para combater a epidemia, contra as determinações das autoridades sanitárias mundiais e do seu próprio ministro da Saúde. Mesmo em grave crise epidêmica, ele quer suprir com acusações públicas a sua incapacidade de conversar com os governadores. Se ele conta que, no limite, o Exército vai sustentá-lo no poder contra tudo e contra todos, é melhor que considere as palavras do general Cardoso e reavalie o seu cacife. No entanto, Bolsonaro dá sinais de que prefere o suicídio político a admitir os seus graves erros.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Observatório das Eleições 2022

Eleições 2022: candidatura feminina é igual em qualquer lugar?

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Titular e pacificar em nome do desenvolvimento: Bolsonaro e conflitos no campo

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Juca Ferreira

As cores do Brasil

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso