Na última sexta-feira (20), após se recusar a admitir, sucessivas vezes, a gravidade da pandemia do coronavírus, Jair Messias Bolsonaro ousou divagar, pela negação, sobre uma eventual decretação do Estado de Sítio para enfrentar a crise sanitária: “Estado de sítio não está no nosso radar. Em poucas horas você decide uma situação como essa. Mas daí acho que estaríamos avançando, dando uma sinalização de pânico para a população. Nós queremos sinalizar a verdade para a população. Por enquanto, está descartado até estudar essa situação”.

Mesmo se tratando do Bolsonaro, quando um presidente fala de uma hipótese tão grave, como o estado de sítio, se supõe que ele tenha pensado, ou esteja pensando nisso. “Estudar” não é “pensar”, não é mesmo?

Há um detalhe intrigante na declaração presidencial, que é o advérbio temporal “por enquanto”. A admissão de que uma medida de exceção prevista na Constituição para o caso de uma invasão estrangeira, ou comoção nacional equivalente, que prevê até o fechamento dos demais poderes, seja adotada para enfrentar uma epidemia quando o presidente julgar pertinente, é mais do que preocupante. Vinda de uma mente obcecada pelo confronto, então, chega a ser alarmante.

Mas a declaração tem uma outra referência temporal repugnante, na expressão “em poucas horas”. Estado de sítio não é decisão de gabinete. Inexiste a hipótese de invasão estrangeira, ainda menos sob pandemia. A outra hipótese, de comoção nacional, com um presidente desses não há como descartar. Só que ela supõe a vigência anterior do Estado de Defesa, a autorização prévia do Conselho da República e do Conselho de Defesa Nacional, além da sua aprovação pela maioria absoluta do Congresso Nacional. “Poucas horas”? O que o Bolsonaro não está querendo dizer com isso?

Vale lembrar que o desprezo do presidente pela epidemia está intimamente ligado ao obstáculo intransponível que ela trouxe para a sua estratégia de fake mídia de reunir claques na porta do Palácio para desqualificar os seus desafetos e, ainda mais, para a sua escalada autogolpista de promover mobilizações de grupelhos da extrema direita para cultuar a sua personalidade doentia e atacar os demais poderes. Bolsonaro não pensou duas vezes em afrontar as recomendações que o seu ministro da Saúde havia acabado de anunciar e foi à praça para abraçar militantes, em plena epidemia.

Bolsonaro não tem condições de unir o Brasil para superar o imenso desafio dessa epidemia. Ele vive – politicamente – de atacar violentamente os demais poderes, os Estados, organismos internacionais e governos estrangeiros, a imprensa, os partidos, os sindicatos e movimentos sociais, minorias e maiorias étnicas e sexuais, organizações da sociedade civil e quaisquer pessoas que discordem das suas posições radicais.

Ao que parece, a pandemia representa, para o Brasil, um tsunami virótico que desabou sobre uma crise política deliberadamente produzida. Bolsonaro perdeu o seu precioso primeiro ano de governo com baboseiras abusivas de todo tipo e as suas supostas realizações, as reformas aprovadas pelo Congresso, nem de longe resultaram em numerosos empregos e investimentos, conforme o governo havia prometido. O PIB até recuou. Bolsonaro já estava mergulhando de cabeça numa aventura autoritária quando foi abatido, em pleno vôo, pela chegada do vírus.

Daí que ninguém duvide que, a despeito das reiteradas desqualificações que faz da epidemia, o presidente e o seu núcleo próximo de aventureiros infectados pretendam reciclar a estratégia golpista valendo-se da gravidade da crise sanitária para reivindicar poderes de exceção, impróprios para combatê-la, mas muito oportunos para quem deseja esmagar adversários.

A eventual proposta de estado de sítio, quando a grande maioria da população vem acolhendo, voluntariamente, inúmeras restrições, é politicamente extravagante. O mínimo que se deve esperar é que o presidente também faça a sua parte, mas Bolsonaro está focado no próprio umbigo, sedento do sangue de outros inimigos. Na verdade, sua cogitação enrustida de estado de sítio é uma ameaça de circo de terror.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Observatório das Eleições 2022

Eleições 2022: candidatura feminina é igual em qualquer lugar?

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Titular e pacificar em nome do desenvolvimento: Bolsonaro e conflitos no campo

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Juca Ferreira

As cores do Brasil

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso