Há oito anos, em novembro de 2013, eu escrevi sobre o projeto de Lei nº 223/2012, do vereador Walter Cavalcante (PMDB), que aprovava a inclusão do dia da Marcha pela Vida contra o Aborto no calendário oficial de Fortaleza.

Talvez por ironia do destino, e aqui afirmo que escrevo com ironia, novamente, os nossos corpos são colocados em pauta. É um desgaste constante para nós mulheres termos que afirmar, reafirmar e esbravejar o óbvio: tirem as mãos dos nossos corpos, nos deixem livres.

Afinal, qual o papel do estado quando se trata de corpos de mulheres? Proteger? Prezar pela liberdade? Ou simplesmente corroborar, incentivar e financiar a cultura machista e misógina construída e alimentada pelos setores mais conservadores da nossa sociedade?

A Lei nº 11.159/2021, de autoria do vereador Jorge Pinheiro (PSDB), foi sancionada pelo prefeito Sarto (PDT), institui a “Semana pela vida”. Esta  promove o ensino da “conscientização” do papel das mulheres para a manutenção da ordem masculina, heterossexual, rica e branca dentro desse modelo de sociedade que faz do estupro um espetáculo ao vivo na tevê.

Quero perguntar de forma bem sincera, e quero aqui dialogar com as mulheres que me leem: quantas mulheres vocês conhecem que já tiveram que recorrer ao aborto? Seja ele de forma legal. Ou clandestina. Quantas mulheres vocês conhecem que tiveram que levar adiante uma gestação fruto de um estupro, por falta de acesso a métodos contraceptivos ou com receio do julgamento das pessoas da sua religião? Quantas já estiveram grávidas sem querer, ou querendo, e foram privadas de pensar, DE PENSAR, se queriam levar à frente a gestação?

Pensar, repito pela quarta vez, PENSAR, virou um ato clandestino para nós mulheres. Mas como proibir o pensamento livre e o direito ao nosso corpo virou tema da “Semana pela vida”.

Que vida é essa que não nos permite pensar sobre nossos próprios corpos. Sobre maternidade. Sobre o destino que queremos construir para nossas vidas.

A tal “Semana pela vida” é um evento que promove a desinformação e reafirma que nós, mulheres, não temos o direito de construir um destino fora da maternidade para nós.

É a violência contra a mulher legalizada e incentivada pelo estado vestida de moral e de “bons costumes”.  É a violência, principalmente, contra as mulheres negras e pobres, que são as que mais sofrem com a criminalização do aborto, por estarem submetidas à falta de acesso à saúde, educação, moradia, alimentação e ao aborto seguro. Isso, sim, deveria ser tema de política pública e de uma semana organizada e incentivada pelo poder público.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita