Arte: Mídia NINJA

Eu sempre tive uma gastura de menstruar. Cada mês era um sufoco. Eu nunca sabia direito como colocar o absorvente. Ora colocava mais pra frente, ora mais pra trás. Sempre vazava, sempre!  Não conseguia escolher direito qual era o melhor tipo. São tantos! Noturno, com abas, sem abas, extra, super fino, etc. Quanta opção! Ficava confusa. Era um desconforto sair de casa.

Eu caminhava com a eterna sensação de estar sempre suja e fedendo. Pedia repetidamente para as amigas olharem se estava suja. Usar branco?! Jamais! E na hora de dormir, parecia uma enxurrada de sangue. Uma hemorragia. Acordar suja tinha virado rotina. Era mais um dos castigos que o divino tinha dado a nós mulheres.

Até que descobri ‘um tal’ de coletor. Algumas amigas começaram a falar disso. Um copinho legal que colhe seu sangue e é isso e aquilo e é fantástico. Mas eu ainda estava cheia de preconceitos e receios. Eu não conseguia usar absorvente interno, imagine um coletor.

Daí, um dia mexendo no facebook vi uma amiga vendendo coletor. Resolvi comprar. Uma compra no impulso. Eu não tinha certeza se teria coragem para usar. Comprei e usei. E de lá pra cá, há quase um ano, a minha relação com a menstruação é outra. É quase revolucionário. Então, queria compartilhar com vocês algumas coisas que mudaram a minha vida e de como é usar esse treco. Quero que você me ajudem a construir os tópicos e a tornar esse texto uma construção coletiva. Precisamos compartilhar mais essas coisas que nos deixam mais livres e seguras.

1. Fluxo

Eu sempre pensei que meu fluxo de sangue era muito. Os absorventes  sempre ficam cheios, pesado. Passei a usar os absorventes noturnos. Com o coletor tudo mostrou-se diferente. O fluxo é bem menor do que parece. É óbvio que varia de mulher para mulher, mas ele é sempre menor do que aparenta no absorvente.

2. Como colocar

Com o tempo você vai descobrindo a forma que deixa você mais confortável. Hoje eu coloco ele em pé. Mas no começo, eu sentava no vaso e ali colocava. O primeiro mês, período de adaptação, foi caos. Fica como medo de colocar o bagulho errado. Dele se perder dentro de mim e essas paranóias todas que pensamos. Com o tempo você vê que é tudo tão de boaaaaaaaaa. Se joga amiga! Dobra ele. Faz um trouxinha. Arreganha as pernas e enfia o coletor. Eu costumo colocar até meu dedo indicador todo entrar, tipo absorvente interno, mas, mais uma vez, você vai se adaptando com o tempo, entendendo seu corpo, e tudo vai ser perfeito.

3. Vaza?

Como eu tinha medo, no meu primeiro mês eu não colocava certo e vazou um pouco. Hoje não vaza nada. Minha vagina já está pronta para recebé-lo. Faço academia, ballet, uso saia, roupa branca… parece sonho. Estou sempre limpa.

A sensação é igual daquelas propagandas de absorvente…livre, leve e solta!

4. E o cabinho, corta?

Eu não cortei o meu. Ele está lá. Tem mana que corta. Preferi não. Ele não me incomoda e me ajuda na hora de tirar. Tem meninas que viram o copinho e usam com o cabo para dentro. Bom, testa o primeiro mês com cabinho. Se não curtir, ou incomodar, corta.

5. Como tira?

Enfia seus dois dedos. Aperta ele um pouco, solta o ar e puxa. Faz isso no vaso ou no local de tomar banho. Isso indica as instruções. Mas, como disse e insisto, você vai descobrindo a melhor forma para você. Eu, por exemplo, puxo pelo cabinho e pronto. Sai lindo e sem derramar nada. Das duas formas faz um barulhinho.

6. Posso dormir com ele?

Podeeeeeeee. Você terá seus melhores sonhos.

7. Quanto tempo posso ficar com ele dentro?

Até 12h é o indicado. Você terá que observar seu fluxo para ajustar isso.

8. E a higienização dele?

Eu compro sabonete neutro e lavo sempre que tiro durante o ciclo. Tem meninas que só passam água. Eu prefiro passar um sabonetezinho. Quando termina o ciclo escalda ele. Deixa secar e guarda no saquinho. Quando for o mês seguinte, lava com sabonte e usa de novo.

10. A cor do copinho

Eu uso o transparente. Agora ele não é mais transparente. Fica um pouco amarelado com o tempo. Não sei quimicamente explicar os motivos. Se souberem falem aí nos comentários para aprendermos juntas.

11. Quando devo trocar o coletor?

Depende da marca. Em geral de 3 em 3 anos.

12. E o cheiro?

Pasmem! O cheiro é muito diferente. Na verdade não tem cheiro. Lembro que na primeira vez eu pegava o coletor e ficava cheirando e nada. Nesse momento eu me apaixonei pela menstruação. Pelo meu sangue. Pelo meu corpo. Sai andando pela casa com o coletor cheio mostrando para minha mãe e irmã como aquilo era fantástico.

13. O nosso sangue serve como adubo?

Sim, tem meninas que jogam o sangue no vaso das plantinhas para alimentá-las.

14. Quanto custa o coletor?

80 reais. Mas sempre faça uma boa pesquisa. Rola umas promoções legais.

15. Qual marca usar?

Eu usei só uma até agora. Acho que não tem muita diferença. Vocês podiam colocar nos comentários quais vocês usam para irmos montando opiniões!

Eu uso inciclo. E basicamente gosto porquê é transparente e gosto de ver meu sangue 🙂

16. Como é na hora de fazer xixi e cocô?

Ahh manas, é tranquilo. Quando você fizer uma forcinha (haha) ele vai descer um pouco, mas quando terminar ele volta ao seu local.

17. É pessoal e intransferível..

18. E para transar?

Nunca transei (penetração e oral) com ele, haha. Também não conheço ninguém que tenha feito. Rola brincar um pouco, masturbar. Mas compartilhem aí se vocês já tiveram experiências desse tipo! haha.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Mariane Santana

A volta do ABBA e o futuro (presente) dos shows

Agatha Íris

Quem defende as crianças que são vítimas de abuso e estupro de vulnerável?

NINJA Esporte Clube

Pretos na Biblioteca: projeto idealizado por Gabizona do vôlei busca combater o racismo através da educação

NINJA Esporte Clube

A’ja Wilson: uma voz potente e necessária

NINJA Esporte Clube

Ginasta Luis Porto foca na preparação para próximas competições, após corte inesperado do Mundial 2021

Flávio Renegado

Vinte e Três Minutos… 

Márcio Santilli

Direita rachada

Talles Lopes

Morro do Fogo: fé e luta quilombola

Bancada Feminista do PSOL

Sampaprev 2: um ataque a quem esteve na linha de frente contra a Covid

Lais Gomes

Me deixa reclamar!

Andréia de Jesus

Indígenas latinos são transformados sistematicamente em imigrantes por mais de 500 anos!

Laryssa Sampaio

O Peso do Pássaro Morto: perdas, reencontros, encontros e fim

Andréia de Jesus

Zema expressa todo seu preconceito social

Laryssa Sampaio

Pelo direito de pensar e decidir se queremos ou não ser mães

Márcio Santilli

Nem autogolpe e nem impeachment