Por Juca Ferreira

Estamos a menos de uma semana do segundo turno das eleições mais importantes desde o fim da ditadura militar. O destino do Brasil e da vida de todo nós na próxima década estará em jogo. O país está tomado pela tensão e muita ansiedade.

Sabe-se que já estão corrompendo o processo eleitoral desde o primeiro turno, através do orçamento secreto e de outros recursos públicos e privados e tentarão e usarão de tudo para tentar reverter a tendência das urnas, se utilizando de mentiras, calúnias, fake news, intimidação, assédio eleitoral e violência.

Para uma vitória mais tranquila de Lula, é preciso nesta reta final alargar a vantagem sobre o adversário. E temos todas condições para isso.

Precisamos mobilizar urgentemente a participação ativa da cidadania para participar da campanha e para multiplicar os votos em Lula.

Lula teve mais de 56 milhões de votos no primeiro turno e todos concordam que precisamos ampliar a participação desses eleitores na campanha. Muita gente já está na batalha por votos e muita coisa já está acontecendo na internet, nas ruas e nos muitos círculos de relacionamento de cada um. Mas temos um exército democrático de reserva que pode fazer a diferença neste final de campanha.

Não temos muito tempo e devemos ir à luta, executar e propor ações de diversas modalidades que permitam a participação individual e dos vários tipos de organizações sociais existentes na sociedade para consolidar a vitória de Lula.

É preciso mobilizar, criar os meios e ampliar a participação na campanha na internet, nas ruas e nos círculos de relacionamento de cada eleitor e eleitora. A campanha de Lula tem todas as condições de virar uma grande movimentação. O caráter democrático da candidatura de Lula certamente vai atrair segmentos políticos, ideológicos e sociais diversos.

Ótimo, para a ampliação da vitória de Lula. A autonomia de ação, a multiplicidade de possibilidades de engajamento e mesmo de motivação certamente vai gerar uma diversidade de formas e ênfases distintas na participação.

Quanto mais democrática e ampla a campanha, maior o impacto das mensagens e maior a amplitude de eleitores que serão sensibilizados. O papel da coordenação da campanha de Lula é mobilizar, articular, criar um mínimo de organização e suprimento de materiais. A campanha deve ser feita por Estados, mas ter uma coordenação nacional e um site referência.

Podemos gravar com personalidades políticas, ou cidadãos e cidadãs comuns, referências sociais e culturais para mobilizar e convocar esses milhões de eleitores para participarem da campanha.

Produzir ou reproduzir materiais de diversos tipos que apoiem a campanha e fazer chegar à mão dos que estarão engajados na campanha. Propor abordagens, combater a fake news, etc.. Vejo três tipos de campanha dessa frente de campanha:

1- Na internet;
2- Nos círculos de relacionamento, família, amigos, trabalho, afinidades etc..
3- Na rua, pequenos grupos panfletando e manifestações, organizando performances etc..
Essa nova frente só precisa de uma coordenação nacional de apoio (fazer chegar material de propaganda e orientações.. e um site geral e as coordenações estaduais.

Para ter a potência e a abrangência necessária, para ser significativa quantitativamente e gerar milhões de votos, vai ser preciso do apoio da campanha e do próprio Lula.

O ideal é que seja compreendida como uma nova frente da campanha.

Temos cinco dias para isso.

Vamos nessa! Pelo Brasil!
Pelo povo brasileiro!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marielle Ramires

De braços dados com a alegria

Bella Gonçalves

Uma deputada LGBT na Assembleia de MG pela primeira vez em 180 anos

Célio Turino

Precisamos retomar os Pontos de Cultura urgentemente

Design Ativista

Mais que mil caracteres

SOM.VC

Uruguai musical

Estudantes NINJA

Não existe planeta B: A importância das universidades nas mudanças climáticas

Colunista NINJA

Carta a Marielle Franco: ‘Quem mandou te matar, Mari? Aí do além é mais fácil enxergar?'

Luana Alves

Justiça por Marielle, mais urgente do que nunca. Sem anistia

Design Ativista

Feminismos, sem medo de ser plural

Márcio Santilli

Opção bélica

André Menezes

Saúde mental ainda é um desafio, afirmam especialistas

Célio Turino

Leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2

Design Ativista

Afinal, qual o papel da moda? Uma reflexão de vivências

Juan Espinoza

Quando o silêncio entre mulheres é quebrado