As manifestações de rua no sábado, três de julho, foram enormes, em todo Brasil.

Quando as manifestações vão se agigantando e politicamente se tornando importantes ao ponto de interferir na vida política do país, como está acontecendo agora no Brasil, é de se esperar que apareçam manifestações de impaciência dos que se utilizam da violência para extravasar sua revolta. São muitas as razões para a violência ser utilizada como linguagem. Afinal de contas, que violência é maior do que as centenas de milhares de mortes de brasileiros e brasileiras que poderiam ser evitadas se o governo fosse minimamente responsável e não fosse adepto da morte como política?

O perigo, que faz da violência no contexto das manifestações algo questionável é que, mesmo sem querer, por parte dos que assim manifestam sua indignação e a dor pelas perdas e por todo o sofrimento que vem sendo imposto ao povo brasileiro, é que essa violência é um artifício muito utilizado pelas polícias desde sempre, em todo o mundo, como provocação para tentar isolar as manifestações do resto da população e justificar a repressão.

É a famosa tática policial de se utilizar de agentes infiltrados. Uma tática antiga e manjada das polícias, mas que sempre volta a ser utilizada…

A polícia acende o rastilho e os mais esquentados entram em combustão. E o resultado, quase sempre, é o enfraquecimento das manifestações.

Parte da sociedade passa a não entender e a não se identificar com a mensagem das ruas.

A razão das manifestações fica mais difícil de ser compreendida e, muitos que poderiam ir na próxima, ficam com medo de se manifestar.

E muitos dos que estão se manifestando nas ruas se sentem utilizados e traídos porque foram mobilizados para uma manifestação pacífica.

E, assim, possibilita que a polícia nade de braçada e encontre a justificativa junto à opinião pública para sentar a borracha na rapaziada.

E assim o governo vai levando seu barco, que mesmo afundando, insiste em prosseguir em direção ao nada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”