As manifestações de rua no sábado, três de julho, foram enormes, em todo Brasil.

Quando as manifestações vão se agigantando e politicamente se tornando importantes ao ponto de interferir na vida política do país, como está acontecendo agora no Brasil, é de se esperar que apareçam manifestações de impaciência dos que se utilizam da violência para extravasar sua revolta. São muitas as razões para a violência ser utilizada como linguagem. Afinal de contas, que violência é maior do que as centenas de milhares de mortes de brasileiros e brasileiras que poderiam ser evitadas se o governo fosse minimamente responsável e não fosse adepto da morte como política?

O perigo, que faz da violência no contexto das manifestações algo questionável é que, mesmo sem querer, por parte dos que assim manifestam sua indignação e a dor pelas perdas e por todo o sofrimento que vem sendo imposto ao povo brasileiro, é que essa violência é um artifício muito utilizado pelas polícias desde sempre, em todo o mundo, como provocação para tentar isolar as manifestações do resto da população e justificar a repressão.

É a famosa tática policial de se utilizar de agentes infiltrados. Uma tática antiga e manjada das polícias, mas que sempre volta a ser utilizada…

A polícia acende o rastilho e os mais esquentados entram em combustão. E o resultado, quase sempre, é o enfraquecimento das manifestações.

Parte da sociedade passa a não entender e a não se identificar com a mensagem das ruas.

A razão das manifestações fica mais difícil de ser compreendida e, muitos que poderiam ir na próxima, ficam com medo de se manifestar.

E muitos dos que estão se manifestando nas ruas se sentem utilizados e traídos porque foram mobilizados para uma manifestação pacífica.

E, assim, possibilita que a polícia nade de braçada e encontre a justificativa junto à opinião pública para sentar a borracha na rapaziada.

E assim o governo vai levando seu barco, que mesmo afundando, insiste em prosseguir em direção ao nada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ivana Bentes

Ponte aérea espacial em meio ao colapso

Juca Ferreira

Cuba Sim! Embargo Não!

Boaventura de Sousa Santos

Desbolsonarizar a democracia, desmorizar a justiça

Juca Ferreira

O Estadão, Bolsonaro e a Conjuntura

Juca Ferreira

As manifestações de rua e a violência

Márcio Santilli

Um manda e outro obedece

Renata Souza

Em briga de marido e mulher, a gente salva a mulher!

Daniel Zen

Fogos de monturo e de coivara

Márcio Santilli

Ministério de Embromação Ambiental

Isabella Queiroz

Étudier est impérieux: estudantes e pesquisadores brasileiros podem perder suas bolsas na França

Morena Meireles

Desinformação no discurso do governo bolsonarista

Márcio Santilli

A responsabilidade pessoal de Braga Netto na crise

Amanda Pellini

O que está em jogo nos jogos digitais?

Colunista NINJA

Empatia e intolerância: do discurso à prática

Márcio Santilli

Arthur Lira, o predador