Diálogos de quarentena com Rey Gomez, 15 anos após a inauguração de TeleSUR

Arte: @mateusrafaeu

Em 24 de julho de 2005, o sinal de TV TeleSUR, com sede em Caracas, Venezuela, realizou sua primeira transmissão para todo o continente. Assim começou o primeiro de muitos passos estratégicos que o governo bolivariano adotaria para lidar com a hegemonia da palavra e das informações praticada há anos pela CNN em espanhol. Anos de ataques e demonização pelo sinal emitido desde Miami para com os movimentos sociais e os setores populares em geral. A novidade de TeleSUR foi registrar desde uma perspectivas não

Hugo Chávez, principal arquiteto do projeto TeleSUR, sabia há muito tempo que a emancipação de um projeto latino-americano popular e anti-imperialista não seria bem-sucedida sem seu próprio projeto de contra-informação no nível continental. Era, é e sempre será necessário um canal próprio de informação nessas terras, que nos remeta constantemente às nossas raízes latino-americanas e à importância do continente africano (como fornecedor da mão escrava que gerou a riqueza das nações durante o processo de colonização e pós-colonização). O TeleSUR obedece ao objetivo bolivariano de se comunicar para integrar os setores populares, os povos nativos, os marginalizados e oprimidos por um sistema global que hegemonizou a palavra, os recursos, os direitos e as riquezas das nações e de seus habitantes.

Esses 15 anos foram transformados em resistência, uma resistência solitária que o projeto bolivariano mantém hoje, contra o inimigo comum, os Estados Unidos, que reivindica o direito de decidir sobre a autodeterminação dos povos em todo o mundo. E também, o TeleSUR resiste a seus próprios inimigos internos,  à elite venezuelana, liderada por Juan Guaidó, os setores conservadores, a mídia corporativa e os monopólios comerciais. 

Desde 2012, Reinaldo Gomez (Rey Gomez é seu nome artístico) é o embaixador de Cuba na cadeia bolivariana de notícias. Preto, poliglota, elegante de vestir, falar e dirigir, nascido em Sancti-Spíritus, socialista, intelectual, literário. Rey é um dos rostos mais populares do canal. Ele conduz de maneira clássica, tentando não intervir quando o entrevistado fala, tentando não colonizar o espaço com sua visão pessoal, uma forma de respeito que se torna cada vez mais obsoleta na mídia de massa todos os dias.

A jornalista colombiana Patricia Villegas é atualmente a presidenta do canal TeleSUR

Você poderia descrever como foi seu processo de chegada a Telesur?

O Rei pré-teleSUR trabalhou como apresentador de notícias no Sistema de Informação de Televisão Cubana (hoje, Canal Caribe) e na Cubavisión Internacional. Ele também atuou como presidente da cátedra de dublagem cubana e professor de dublagem e apresentação de espaços de informação na Faculdade de Comunicação da Universidade de Havana. Digamos que essas foram as ferramentas que joguei na mala quando, em abril de 2011, a alta gerência do Instituto Cubano de Rádio e Televisão (ICRT) me informou que havia sido selecionado para representar meu país no canal multiestatal. E uma noite em maio, embarquei no avião da CONVIASA com destino a Caracas.

Como é trabalhar no único canal de TV anti-hegemônico da América Latina? Como são as relações internas de trabalho e produção entre os trabalhadores do canal?

É um aprendizado constante. Todos aprendemos com todos. Todos nós contribuímos. Tentamos medir o chamado Sul Global (que não tem necessariamente a ver com o sul geográfico). Contar o dia a dia sempre envolve um desafio. Como falar? Como ser o mais fiel possível da realidade, como abordar o assunto com o maior número de pontos de vista possível – colocando a voz de nossos povos em primeiro lugar? Às vezes conseguimos, outras, nos aproximamos. Porém, nós sempre aprendemos.

Caracas, a cidade sede do canal, é constantemente ameaçada por elementos internos e externos, pelos Estados Unidos e especificamente pelo seu presidente Donald Trump. Como é acordar todos os dias e colocar sua imagem na frente de um canal de TV que representa um projeto político tão odiado pelo imperialismo?

Para aqueles que estão convencidos de que o nosso norte é – sem dúvida – o Sul, isso não é um problema. Não temos medo de ameaças, nem ouvimos sirenes atordoadas. Medos? Os típicos, como seres humanos que somos, afinal, mas as ameaças também nos dão força para defender a paz de nossas trincheiras: na frente das câmeras. É apenas estar em sintonia com o momento histórico que nos corresponde viver.

Deisy Toussaint, da República Dominicana, apresenta TeleSUR RD

24 de julho de 2020 marca o 15º aniversário da primeira transmissão da Telesur e 237 anos desde o nascimento de Simón Bolívar. Quais são os locais de encontro entre a figura do libertador latino-americano com o sinal de TV com sede em Caracas?

Celebrar a criação de nossa casa informativa no mesmo dia em que Bolívar nasceu contém o enorme simbolismo de celebrar a liberdade de informar com sua própria voz, a liberdade de dizer a nossa verdade. A espada do Libertador é para nós a mensagem anti-hegemônica.

Em outra entrevista, você disse que é necessário refletir os países do norte com o pensamento sul, você poderia elaborar melhor esse conceito?

Isso é o que eu já expliquei sobre o conceito de Sul Global. É um conceito geopolítico. Por esse motivo, as preocupações e lutas do povo americano, as do movimento Coletes Amarelos na França, os 15 milhões do movimentos esperança na Espanha, as necessidades dos cidadãos da cada vez mais desunida União Européia, as causas dos povos do Oriente Médio; Todos esses eventos que irradiam do norte geográfico estão incluídos no chamado Sul Global e, portanto, fazem parte da agenda do teleSUR.

Quanto, na sua perspectiva, a sobrevivência da Telesur depende da sobrevivência do projeto bolivariano liderado hoje por Maduro?

TeleSUR surge na Revolução, e duas vezes. As revoluções cubana e bolivariana são sua Alma Mater. Mas também o teleSUR cresceu no contexto daquilo que conhecemos como a década ganha na América Latina; anos depois de um período de cinco anos de ataque neoliberal e, no entanto, ainda estamos de pé, lutando contra todos os tipos de tempestades que surgem de Washington DC, de Miami, de Bogotá, de Lima, Madrid, Bruxelas … Aqui estamos nós e aqui continuamos. Graças à posição inabalável de nossos líderes, seguidores do pensamento de Fidel, Chavista, Martiano e Bolivariano.

TeleSUR nasceu em 2005, graças à visão estratégica de Hugo Chávez e ao apoio de alguns parceiros regionais, como Lula e Nestor Kirchner. Você acha que isso seria possível em um contexto político em que o progressivismo latino-americano não estava ocupando esses lugares de decisão institucional?

Eu acho que teria sido mais difícil. As estrelas e a vontade política se alinharam há 15 anos, para que nasça esse velho sonho dos despossuídos, dos então sem voz, dos trabalhadores, camponeses e estudantes, dos aborígines, dos negros, dos homens e das mulheres.

Quando Macri assumiu o cargo em 2015, seu primeiro passo foi derrubar a lei anti-monopólio de Kirchner na mídia audiovisual. Lula já afirmou que não recebeu apoio nem para abrir o debate no Brasil sobre uma lei antimonopólio. Por que o poder tem tanto medo da desmonopolização da informação?

Porque as transnacionais de comunicação são sua principal arma. Eles são o balão de oxigênio dele. O fato de serem chamados de “transnacionais” não é em vão: sua agenda editorial desce – com surpreendente verticalidade – da Casa Branca e transnacionaliza-se naquilo que a hegemonia continua a considerar seu “quintal”: nossas terras. A TeleSUR, por outro lado, avança com sua própria agenda, e em nossa agenda as armadilhas do direito não são cobertas. É por isso que o neoliberalismo e a CEOcracia têm medo de nós, portanto, eles fazem de tudo para nos silenciar. Mas veja bem, depois da tempestade, o sol sempre nasce.

“Somente o amor gera admiração. Somente o amor transforma a lama em milagre”

O projeto boliviano, que inclui a consolidação de um meio anti-hegemônico como a TeleSUR, entende da necessidade de formar um bloco estratégico entre os vários países da região. Você acha que o imperialismo está ciente disso? Ou que eles ficaram sabendo disto desde que a maioria dos governos progressistas tomou posse na região na primeira década do século XXI?

Não podemos subestimar o imperialismo. O Che o sentenciou com suas memoráveis ​​palavras que são repetidas – às vezes – sem ser quem as diz 100% consciente da grande verdade que elas contêm. Herdeiro da filosofia colonizadora de séculos atrás, o imperialismo e sua versão mais contemporânea, o capitalismo neoliberal, sempre foram claros sobre o que os povos oprimidos são capazes, até onde podem chegar quando decidem se emancipar. Por esse motivo, sempre se reinventa com fórmulas enganosas, presumivelmente “inclusivas, democráticas”, mas essencialmente colonizadoras como é sua própria gênese.

O jornalismo corporativo e conservador acusa sinais como a TeleSUR de realizar um jornalismo parcial e militante, enquanto eles praticam a objetividade jornalística, a “sem ideologias”. Você acha que isso é possível? É possível realizar jornalismo sem ideologia?

Felizes aqueles que se acham objetivos 100%! O jornalismo, como disciplina humanística, é imperfeito, como imperfeito é o ser humano. Mas, além de nossas imperfeições, nossa verdade nos guia. A imparcialidade é tão insípida quanto as correntes políticas “centristas” insípidas (e quero dizer insípida, para dizer o mínimo, porque “não-compromisso” também marca uma posição, a posição acomodatícia do oportunista). Agora, como dizer o que consideramos digno de ser denunciado, submetido a análise ou simplesmente destacado? Aqui está o grande desafio! E se formos militantes, tendenciosos, ideologistas …? O que você quer que eu diga? Todo meio é portador de uma ideologia; todos os meios de comunicação (incluindo aqueles que afirmam ser “apolíticos”) são geradores de opinião. E a opinião sempre passa pela peneira da politização. O ser humano é político por natureza. Mas nós somos mais. Nós somos um sinal insurgente!

A morte de George Floyd mostrou como a sociedade norte americana é violentamente racista. Como isso afetou você em particular? Quanto você acha necessário avançar na América Latina nas lutas anti-racistas? E qual é a responsabilidade, ainda hoje, da visão eurocêntrica que herdamos do período colonial?

A questão racial não se refere apenas aos Estados Unidos, mas é uma questão pendente em vários países da América Latina (incluindo aqueles onde houve muito progresso nas políticas de benefícios sociais). O racismo é um atraso do capitalismo, que ao mesmo tempo o herdou do colonialismo feudal. E é muito difícil erradicar! Acredito que o único antídoto (também eficaz contra a homofobia, o classismo e a discriminação de gênero) é a cultura. Instruir não é suficiente; uma cultura baseada no amor deve ser semeada. Como disse o poeta: “Somente o amor gera admiração / Somente o amor transforma a lama em milagre”. E para ajudar o amor a ganhar consistência, você precisa educar com base em informações responsáveis. É aí que pressionamos os profissionais para desempenhar uma função central, temos que nos sentir como educadores das sociedades e agir em conformidade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Paternidade Ativa Feminista

André Barros

Blindador-geral da República

Felipe Milanez

Morreu Aritana Yawalapíti! Silêncio, choro e o luto com o Xingu

NINJA

O elitismo e o mal banal dos protestantes tradicionais no governo Bolsonaro

Eduardo Sá

“O movimento agroecológico reúne experiências e caminhos possíveis e desejáveis”

Eduardo Sá

“A questão da fome é real se houver um impasse e não se encontrar uma saída”

Ana Claudino

Quem tem medo de sapatão?

Márcio Santilli

Bolsonaro fora do mundo

Boaventura de Sousa Santos

Defesa dos indígenas contra a Covid-19

Daniel Zen

O excesso de esperteza pode devorar o esperto

André Barros

Negacionismo judicial

Daniel Zen

Um feminicida não pode ser ídolo em nossa sociedade

afrolatinas

Conheça a Pretaria BlackBooks, primeiro clube de leitura antirracista do Brasil

André Barros

Notícia-crime contra Bolsonaro por genocídio

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte