Imagem: @iimpirika_jones

Na segunda-feira 1º de junho de 2020, o deputado bolsonarista Daniel Silvera (PSL-SP) que se fez conhecido por vandalizar uma placa em homenagem a Marielle Franco, protocolou um projeto de lei (PL) pedindo para que os grupos antifascistas que vem se manifestando nos domingos sejam classificados como terroristas, e enquadrados na lei antiterrorismo. O parlamentar ainda usou as redes sociais para ameaçar os participantes dessas marchas, e advertiu que há muitos policiais armados participando de atos em defesa do governo, e diz torcer para que um dos opositores tome um tiro “no meio da caixa do peito”. “Até que vocês vão pegar um polícia [sic] zangado no meio da multidão, vão tomar um no meio da caixa do peito, e vão chamar a gente de truculento”, afirmou.

O presidente Bolsonaro, logo disse que é preciso haver uma “retaguarda jurídica” para que policiais possam atuar em manifestações. “Nós precisamos de uma retaguarda jurídica para que nossos policiais possam bem trabalhar em se apresentando crescente esse tipo de movimento [como Antifa], que não tem nada a ver com democracia”, disse. Para ele e para quem o apoia, nada seria mais conveniente que uma opinião generalizada a favor da repressão policial. O bolsonarismo já vai semeando a ideia de que essas marchas tem uma índole “terrorista”, “subversiva”, desviando o foco de atenção da essência desses protestos e suas reivindicações.  

Recentemente Chile foi (e continua sendo) cenário de uma série de marchas, e mobilizações organizadas de forma espontánea por diversos grupos de cidadãos para denunciar a desigualdade e os diferentes abusos do governo de Sebastián Piñera e do modelo neoliberal. Durantes os primeiros dias, as marchas foram multitudinários (tanto que chamaram atenção internacional) e pacíficas. Porém, o governo de Piñera não vacilou em enviar tropas de carabineiros a reprimir ferozmente com balas de borracha, deixando mais de 200 pessoas seriamente feridas nos olhos, algumas delas perdendo parcial ou totalmente a visão. Segundo algumas testemunhas, as primeiras confusões foram provocadas por agentes de carabineros infiltrados, que instigaram a participantes desinformados a acompanhá-los a realizar atos de vandalismo. Assim, Carabineros teve o argumento suficiente para iniciar uma brutal repressão que durante meses ocupou as telas dos jornais do mundo inteiro.       

Policial infiltrado é flagrado nos protestos do Chile

Em novembro de 2019, se iniciou na Colômbia uma série de protestos chamados “Paro Nacional”. As marchas tomaram notoriedade pública a causa da feroz repressão policial do governo neoliberal de Iván Duque. A repressão tinha sido justificada pelo governo a causa dos atos vandálicos contra alguns prédios no centro de Bogotá. Logo, grupos estudantis que participaram dos protestos isolaram e conseguiram capturar alguns homens que resultaram ser policiais disfarçados de civis, flagrados quando realizavam atos de vandalismo com o fim de violentar uma marcha que a priori se apresentava como pacífica e ordenada.

A Comunidade capturou os homens encapuzados que atearam fogo ao prédio do Icetex (uma instituição colombiana que promove a educação através de créditos aos estudantes), eles resultaram ser policiais disfarçados. Urgente, Isso não será mostrado pelos jornais! compartilhe antes de excluí-lo”, disse Germán Navas Talero, representante do grupo estudantil.

¿Policías infiltrados destruyeron las instalaciones del ICETEX?

La comunidad capturo a los encapuchados que lanzaron piedras al edificio del ICETEX, resultaron ser policías infiltrados. Después del caos, el sinvergüenza gobierno uribista pretende criminalizar la protesta social.Fuente: https://www.publimetro.co/co/metro/noticias/2019/09/30/investigan-a-dos-policias-que-habrian-lanzado-piedras-al-icetex.html?fbclid=IwAR0ioZA-2o0hUA543BtD1Onuy-z_xHTVez9tsuDG8F7CywrRufLMwieKdmc

Posted by Peñalosadas on Tuesday, October 1, 2019

Nos EUA, os protestos que reclamam justiça pelo assassinato do cidadão afro americano  George Floyd, começaram de forma pacífica como ajoelhadas e caminhadas nos centros urbanos e grandes cidades. Após os primeiros atos vandálicos, as próprias pessoas que participaram das marchas denunciaram que quem origina essas confusões possivelmente sejam membros de grupos supremacistas brancos (para criminalizar o protesto diante dos olhos do público norte americano) ou até policiais (perseguindo o mesmo fim).

Sobre os supremacistas brancos, Ruth Ben-Ghiat, professora de história da Universidade de Nova York, disse ao Global News do Canadá: “São grupos afiliados aos ideais da “supremacia da raça branca”, oponentes da migração e defensores de posições radicais de extrema-direita. Se presume que eles estão filiados a organizações neonazistas e outros grupos mais locais, como o Ku Klux Klan”, disse. E continua “Não existem provas de que grupos antifas ou grupos anarquistas tenham iniciado os atos de violência, porém, existem sim provas que indicam a presença de grupos de extrema direita e de policiais que se confundem com a massa que protesta para provocar baderna”.

No próprio Brasil, os site de notícias UOL publicou em 2019 uma matéria na qual se afirma da existência de relatórios secretos da PM que falam que agentes da segurança pública tinham como tática se infiltrar nas reuniões dos movimentos sociais que participavam das marchas, com o propósito de identificar os líderes. Vários policiais foram logo flagrados por testemunhas produzindo distúrbios. Os policiais se camuflaram nos grupos “Black Blocks”, com o intuito de acusar os líderes sociais de serem autores dos distúrbios, para assim apressá-los e tirá-los do comando e deixar o movimentos acéfalo.

No dia 22 de julho de 2013, PMs prenderam o jovem Bruno Ferreira Teles, acusando-o de lançar coquetéis molotov contra a tropa e de portar outros explosivos durante protestos ocorridos no dia do professor no Palácio Guanabara. Investigações posteriores demonstraram que foram integrantes das forças de segurança os que iniciaram os atos violentos  que desencadearam na repressão posterior.

 

O padrão de ação é o seguinte. O policial se “disfarça” de manifestante, pelo geral utilizando roupas esportivas e carregando uma mochila nas costas. O agente se aproxima daqueles que considera mais jovens, mais influenciáveis, ou que parecem mais agitados e predispostos a cometer uma ação violenta. Então, o policial começa a falar com eles, encorajando-os a cometer algum ato vandálico. Por isso, é muito importante que quem estiver nas manifestações próximas fique atento à intrusão de desconhecidos que têm atitudes esquisitas e que se aproximam das pessoas com o único fim de provocar caos. Pelo geral são infiltrados da polícia ou de algum outro grupo com interesse de desacreditar o protesto.

Esses dias de hoje talvez sejam os mais favoráveis que já tiveram os setores que defendem a democracia no Brasil desde que o Bolsonaro chegou à presidência. A total falta de humanidade com que o governo federal vem tratando a pandemia do Coronavírus, os escândalos por corrupção, fake news, alianças com o centrão. Tudo isso foi isolando cada dia mais o bolsonarismo ao círculo dos mais extremistas e fanatizados. O grosso da população brasileira não suporta mais o total despreparo do presidente e os excessos repudiáveis dos seus aliados. É um momento crucial para o povo brasileiro mostrar a si mesmo que é um povo pacífico, solidário, que ama seus conterrâneos e que se preocupa com sua saúde, independentemente de idade, raça o ou gênero. 

Participar de manifestações no médio a uma pandemia não é algo que ninguém poderia recomendar como um posicionamento certo. Porém, a frustração, a impotência e a irritação de uma sociedade que foi abandonada à própria sorte, e que vê seus governantes zombando da morte dos seus compatriotas e da ciência que poderia salvá-los, chegou aos limites do tolerável.

Não está fácil assistir todo domingo como o presidente e seus seguidores passeiam festivos num contexto de morte e de desespero geral, rodeados de cartazes que pedem por uma ditadura, pelo envio forçado de trabalhadores aos seus postos de trabalho com riscos de contágio, pelo fim do STF, enfim, pela instauração de um governo autoritário e reacionário. Mais do que nunca, não seria inteligente alimentar os argumentos do bolsonarismo que classificam os manifestantes como simples terroristas. Por isso, se você for participar, tome muito cuidado, cuide dos que estão ao seu redor, tenha seu telefone ligado, identifique as pessoas que não são do seu círculo de conhecidos. Colabore com a organização e a paz da marcha. É muito importante que a frente democrática cresça no coração de toda a população brasileira. Que a palavra democracia recupere seu valor e seu caráter inalienável. Esse é um trabalho de todes, os que decidiram ir e os que não decidiram participar dos próximos atos antifascistas que vão acontecer no país.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd