O assassinato de Muhammad al-Durrah ocorreu na Faixa de Gaza em 30 de setembro de 2000, no segundo dia da Segunda Intifada. Foto: France2/Reprodução

Em 28 de setembro de 2000, o exército de Israel de ocupação atacou o Nobre Santuário da Mesquita de al-Aqsa com vários oficiais israelenses de direita protegidos por 2.000 soldados. Muçulmanos palestinos dentro da mesquita de Al-Aqsa protestaram contra sua visita provocativa.

No dia em que Muhammad al-Durrah foi assassinado, um grupo de palestinos furiosos se aproximou do assentamento israelense de Netzarim, no meio da Faixa de Gaza. Eles atiraram pedras nos soldados da ocupação israelense que montaram um posto de controle militar em seu portão leste.

Quando o menino e seu pai se esconderam atrás de uma pequena estrutura de concreto, Jamal al-Durrah gritou para os soldados israelenses pararem de atirar no menino. Seus gritos foram ignorados e Muhammd foi baleado várias vezes, morrendo no colo de seu pai.

Uma ambulância e um jipe ​​particular que queria vir socorrê-los foram atingidos por outra sequência de tiros. 45 minutos depois a calma voltou, lá se descobriu que Muhammad e os motoristas de ambos os veículos haviam morrido e Jamal estava gravemente ferido. O incidente provocou uma reação internacional furiosa, os palestinos aproveitaram a situação para transformar o menino em mártir e símbolo da resistência. O exército israelense assumiu sua responsabilidade, mas diante da reação da comunidade judaica, em 2007, retirou sua aceitação da responsabilidade, duvidando da morte da criança. Na França, foi iniciado um julgamento para chegar à verdade dos acontecimentos e descobrir o que aconteceu nos 16 minutos que as câmeras não registraram.

“Muhammad tinha um caráter forte. Ele estava sempre do lado da verdade, defendia-a e ajudava os oprimidos. Ele também gostava de ajudar os outros com o pouco que podia”, disse ele. O martírio de meu filho “não foi esquecido pelo mundo”, disse Jamal. “Ele nunca será esquecido.”

O pai do menino, Jamal al-Durrah, renova seu apelo para que o regime israelense seja responsabilizado pelo assassinato de seu filho e por todos os crimes e massacres que cometeu contra o povo palestino.

Imagens do tiroteio correram o mundo. No entanto, nenhuma organização internacional jamais pediu que os assassinos do menino fossem levados à justiça por seu assassinato. Vinte e dois anos se passaram desde o assassinato de Muhammad al-Durrah e o regime de apartheid de Israel continua a matar palestinos, incluindo crianças.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Design Ativista

Mais que mil caracteres

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Design Ativista

Quando a moda é criada com a natureza, por mulheres, em suas comunidades

Uirá Porã

O início de uma era singular

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

Márcio Santilli

Direita quer mutilar Frente Parlamentar Indígena

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta