Em novembro de 2022, cinco estados dos Estados Unidos consultaram seus eleitores sobre o uso recreativo da maconha nas eleições de meio de mandato e apenas dois deles, Maryland e Missouri, apoiaram sua legalização.

Por outro lado, a consulta obteve resultado negativo em Arkansas, Dakota do Norte e Dakota do Sul, onde prevaleceu o voto “não”.

Em todos os cinco estados, o uso medicinal da maconha já era permitido e apenas em Maryland e Missouri os eleitores optaram por dar um passo adiante e apoiar o uso recreativo.

Com esses dois territórios, já são vinte e um estados que legalizaram essa droga para fins recreativos.

Em Dakota do Norte, os eleitores já rejeitaram a legalização total da cannabis em 2018 e em sua irmã do Sul, uma medida semelhante já foi aprovada em 2020 que foi anulada pela Justiça estadual.

A descriminalização do uso da maconha é um dos grandes compromissos do Partido Democrata em nível nacional, mas, embora em nível local também existam representantes republicanos que a apoiam, a maioria dos conservadores da Câmara se opôs à medida, que impediu que os progressistas a implementassem.

Nova York inicia a venda de maconha para o público

Em janeiro de 2023 iniciaram-se as vendas de maconha legal para uso adulto em Nova York, conforme anunciado pela governadora do estado, Kathy Hochul.

O primeiro dispensário de maconha do mercado adulto está localizado no bairro de Manhattan e é operado pela Housing Works, uma organização sem fins lucrativos que fornece uma variedade de serviços para pessoas vivendo com HIV/AIDS, sem-teto, ex-prisioneiros e indivíduos envolvidos na justiça .

Isso marca um marco crítico no esforço de Nova York para reparar os danos resultantes do impacto desproporcional da proibição da maconha.

A Housing Works é um dos 36 licenciados condicionais para dispensários de varejo para uso adulto aprovados até o momento pelo Conselho de Controle de Cannabis do estado. Das licenças concedidas, 28 são para empresas pertencentes a indivíduos envolvidos no processo de crimes relacionados à maconha e 8 são para organizações sem fins lucrativos. As vendas de maconha legal para uso adulto começaram em Nova York, conforme anunciado pela governadora do estado Kathy Hochul .

“A indústria continuará a crescer a partir daqui, criando oportunidades inclusivas em todos os cantos do estado de Nova York com receita direcionada para nossas escolas e revitalizando comunidades”, acrescentou o governador.

E agora conservadores?

21 dos 50 estados, quase a metade dos Estados Unidos, legalizaram a maconha para uso recreativo. Nova York, uma das maiores janelas de cultura norte-americana já tem suas primeiras lojas de venda de cannabis para o público em geral. O que resta saber é o que irão falar agora os conservadores vira latas de plantão no Brasil ao tentar colocar os Estados Unidos como um modelo de cultura cristã e pentecostal? A legalização da maconha, além de acabar com o problema do narcotráfico (E a corrupção política e institucional necessária para o narcotráfico sobreviver) está se tornando é uma indústria geradora de novas oportunidades, tecnologias e desenvolvimento científico.

O grande paradoxo do avanço da legalização da maconha nos EUA é que está fortemente ligado ao conceito de liberdades individuais que tanto encanta os conservadores do Brasil. O uso recreativo do cannabis já é uma realidade indiscutível no país do norte e terá que formar parte do debate no Brasil sobre liberdades individuais e luta contra o narcotráfico.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Juan Manuel P. Domínguez

Europa e seu inconfundível perfume de ladrões de arte africano

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

William Filho

Será que o Lula vai legalizar a maconha no Brasil?

Tatiana Barros

Como a falta de espontaneidade no mundo corporativo me reaproximou do humor

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta

André Menezes

Um preto no topo é, sim, motivo para celebrar, mas precisamos lutar por uma emancipação coletiva