Arte: @iimpirika_jones

Com a crise de saúde global provocada pelo coronavírus, se faz muito pertinente debater sobre o papel que as mídias corporativas desempenharam durante o apogeu do neoliberalismo para deslegitimar as iniciativas que tentavam desenvolver sistemas públicos de saúde que atendam a população mais carente. O filósofo norte-americano Douglas Kellner chama  atenção para um estudo minucioso dos efeitos sociais dos meios de comunicação em relação ao indivíduo, e, também, ao contexto social em toda sua extensão de atuação. Nesse sentido, o papel da mídia como poder normatizante não se circunscreve à área de atuação do jornalismo. Kellner vê a mídia como um todo, onde a publicidade, a propaganda, a rádio, as novelas, os filmes, toda a produção simbólica têm uma incidência destacada na construção do imaginário de uma sociedade específica e na construção de identidades.

Seguindo a linha de Susan Sontag, Noam Chomsky, Judith Butler e outros, Douglas Kellner é um intelectual atravessado pelo contexto político do seu tempo. Em seu livro de 2016 ”Donald Trump, o Pesadelo Americano, O Espectáculo das Mídias e o Populismo Autoritário”, Kellner trabalha sobre a tese de que foi a cultura do analfabetismo político instigado pelas mídias corporativas o que culminou na eleição de Donald Trump. Kellner continuou esse trabalho em 2017, publicando American Horror Show: Eleição 2016 e a Ascensão de Donald J. Trump, no qual critica o presidente, referindo-se a ele como “o Rei do Pântano” e “o cachorro de Putin”.

Em entrevista, fala sobre a idolatria dos eleitores de Donald Trump, sobre as fake news que a equipe de comunicação do presidente norte-americano espalha para poluir o cenário político, sobre Hollywood e sobre Brasil e o presidente Bolsonaro.

Hollywood sempre apresentou os Estados Unidos como a nação escolhida para salvar o planeta diante de qualquer catástrofe. Que análise poderíamos fazer considerando que hoje eles são a nação mais vulnerável e dizimada por causa da Covid-19?

DK: É trágico que os EUA tenham, em 4 de maio, quando faço esta entrevista, o maior número de casos de Covid-19 no mundo e o maior número de mortes. Isso se deve à ignorância, imprudência e total falta de empatia pelo povo americano e por outras pessoas que sofrem do vírus de Donald J. Trump e seu governo. Trump foi alertado sobre os perigos da pandemia no início de janeiro e, durante meses, pediu às pessoas que não se preocupasse e não fizeram nada. Quando chegou aos EUA da Ásia e da Europa, explodiu e era tarde demais.

Até que ponto a covid-19 mostrou o vazio criado por uma cultura de massas alienante que não preparou a sociedade para uma realidade concreta que é a necessidade de um único sistema de saúde? Seremos mais críticos e conscientes das necessidades básicas que toda sociedade precisa garantir após a pandemia? A cultura refletirá isso?

DK: De fato, a mídia nos EUA alertou o público desde o início e continuou a informar sobre os perigos da pandemia e a insuficiência do governo Trump desde o início – exceto, é claro, a mídia Trump como a Fox News, que mentiu sobre a pandemia desde o início. O governo Obama tinha agências preparadas para epidemias, pois haviam lidado com sucesso com a epidemia de Ebola. O governo Trump fechou agências governamentais dedicadas a combater pandemias, deixando os EUA vulneráveis. Os fanáticos de Trump apenas servem os interesses do capital corporativo, do Partido Republicano e do Donald Trump, e não dão a mínima para o povo americano ou qualquer outra coisa.

Além disso, os EUA não possuem um serviço nacional de saúde como o Canadá e os países europeus, portanto não estamos preparados para lidar com essa crise. Felizmente, a pandemia fará com que as pessoas acordem, vejam as falhas do governo Trump, a necessidade de um serviço nacional de saúde e a eleição de funcionários do governo dedicados ao bem público. Nas eleições de meio de mandato de 2018, os democratas ganharam o controle da Câmara dos Deputados e, esperançosamente, nas eleições de 2020 ganharão o controle do Congresso e da Presidência e causarão mudanças sociais radicais. Antes do que nunca, haverá demandas por um sistema nacional de saúde e um governo que atenda às necessidades básicas das pessoas.

Como você vê o futuro dos escritores de Hollywood após a pandemia? Como você acha que os novos heróis serão vistos logo após o término de tudo isso??

KD: É interessante refletir como a mídia e Hollywood refletirão a pandemia. A mídia de radiodifusão – exceto a mídia alinhada com Trump, como a Fox News – tem sido excelente em criticar o presidente e alertar o público sobre a pandemia. A produção cinematográfica de Hollywood foi interrompida por causa da pandemia, mas eu acho que as pessoas estão pensando em como responder à pandemia.

Ninguém na história dos EUA foi mais odiado que Trump, especialmente em Hollywood e na mídia liberal.

Eu moro em Los Angeles, perto de Hollywood, e posso dizer que todos que eu conheço odeiam Trump com paixão. A elite de Hollywood apoiará o candidato democrata e fará de tudo para derrotar Trump. A mídia liberal fará tudo para investigar e destruir Trump. É impossível exagerar quanto Trump é odiado. Quando ele ganhou pela primeira vez e eu fui no shopping e comprei todas as revistas que encontrei – a maioria das quais eu não conhecia – vi como todas elas reclamavam sobre Trump e que desastre ele é. Ninguém na história dos EUA foi mais odiado que Trump, especialmente em Hollywood e na mídia liberal. Acredito que no Brasil, o presidente Bolsonaro ocupa o mesmo lugar de afeição dentro dos liberais e dos progressistas.

Além disso, nas eleições para o Congresso de 2018, houve uma tremenda reação contra Trump e os republicanos, com os democratas conquistando o controle do Congresso e com muitas mulheres progressistas, pessoas de cor, gays e outras minorias vencendo contra homens brancos conservadores. O mundo inteiro está desconstruindo as tendências de voto. Espero que tudo isso continue nessa direção.

Você considera casual que, nos filmes de catástrofes, aventuras e super-heróis, de maneira recorrente, a resolução do conflito esteja nas mãos de personagens patriarcais, um pater familias provido de super poderes? Até que ponto isso influencia os padrões de conduta social e política?

DK: O filme de Hollywood cria desejos em massa de um salvador, então é claro que o povo americano adoraria um salvador de Trump, que o Brasil correria atrás de alguém como Bolsonaro. Bernie Sanders foi visto como um salvador por muitos e outros políticos são adorados. Com Joe Biden, ele é visto como seguro e confiável, tendo sido vice-presidente admiravelmente de Obama e senador por décadas. Não acho que ele seja visto como um salvador, mas como uma alternativa sólida a Trump, embora ninguém saiba o que acontecerá nas eleições em tempos tão perigosos.

Você acha que os filmes também são produções culturais que atendem às necessidades históricas de dominação, como a dominação de gênero?

DK: Os filmes de Hollywood durante décadas no período clássico serviram aos interesses de dominação de classe, gênero e raça e promoveram o classismo, o sexismo, o patriarcado e o racismo, mas desde a época da New Hollywood na década de 1960 até o presente, filme de Hollywood tem sido um terreno ambíguo. Com alguns filmes promovendo racismo, sexismo e classismo e outros filmes com representações mais progressistas de pessoas que trabalham, pessoas de cor, gays e lésbicas etc. Eu acho que haverá intervenções progressivas em todos os modos de política e cultura, exceto nos EUA. A cultura e a sociedade continuarão a ser um terreno ambíguo, cheio de contradições, por isso é impossível prever em que direção as coisas serão.

Até que ponto podemos responsabilizar a mídia por sufocar os debates sobre os sistemas públicos de saúde e pela demonização das políticas públicas que hoje deixaram os estados indefesos a enfrentar grandes tragédias sociais como a de Covid-19?

DK: Nos Estados Unidos, a grande mídia é a mídia corporativa, de propriedade de corporações gigantes. Naturalmente, eles são defensores da “livre empresa” (ou seja, capitalismo irrestrito), portanto não promovem a medicina socializada. E isto se repete no mundo todo. Quando Bernie Sanders promoveu assistência médica, educação e proteção gratuitas para trabalhadores, financiadas pelo governo, ele foi atacado ou ignorado pela maioria da mídia. É possível, no entanto, que a extensão da pandemia de Covid-19 force o governo a assumir a responsabilidade pelos cuidados de saúde, como no Canadá e na maioria dos países europeus, simplesmente como uma necessidade para o povo dos EUA sobreviver à pandemia.

Até que ponto a ideia de um super-herói clássico em Hollywood destruiu iniciativas de organização coletiva na sociedade de consumo contemporânea? Como a pandemia pode reverter essa lógica?

DK: Classicamente, o super-herói de Hollywood salva as pessoas do mal e é uma figura conservadora, protegendo o sistema contra seus inimigos. Algumas pessoas enxergaram Obama como um super-herói que resolveria os problemas dos EUA e ele simplesmente não podia por causa da oposição republicana no Congresso e em um país dividido. Trump se apresentou como um super-herói que poderia resolver todos os problemas: “Só eu posso te salvar”, ele proclamou. No entanto, a pandemia do Covid-19 mostra que ele é um perigo e incompetente, que não agiu decisivamente contra o vírus e que não tem solução para sair do controle. Portanto, a pandemia pode destruir as alegações de Trump de que ele é um super-herói, mas haverá outras quando Trump for destruído, já que o super-herói é fundamental para a ideologia política de Hollywood / EUA.

Há uma ideia de que hoje o acesso à informação é mais democrático. Mas é paradoxal que os proprietários das plataformas onde quase todas as informações circulam (Instagram, Twitter, Facebook, YouTube, Google) possam ser contados com os dedos de uma mão. É uma “democracia” encapsulada dentro de um monopólio da informação. Como enxerga essa situação?

DK: Democracia significa governo de, para e pelo povo. As chamadas mídias sociais dão a ilusão de democracia, mas, como você observa, elas pertencem a empresas gigantes que não são regulamentadas e têm seus próprios interesses e agenda. As pessoas podem usar essas mídias sociais para expressão democrática, mas, como mostra Trump, elas podem ser usadas para fins autoritários (isso provavelmente também é verdade no Brasil e em muitas partes do mundo).

Quanto você acha que precisamos incorporar o fenômeno “firehosing” (estratégia de divulgação de fake news em massa para atacar o adversário político) na análise da comunicação de massa, considerando que essa estratégia é amplamente usada hoje em dia por governos como Donald Trump, Jair Bolsonaro, etc.?

DK: É essencial defender a verdade e atacar o “firehosing”. O Washington Post dedica uma coluna diária para documentar as “Fake News” lançadas desde a equipe de comunicação de Donald Trump. É especialmente importante defender a verdade e atacar as mentiras em uma época em que políticos como Trump e Bolsonaro são mentirosos sem vergonha.

Vários problemas causados ​​pelo coronavírus atualmente (como quarentena e invisibilidade da doença) acionam o conteúdo de programas de TV e rádio. Hoje ainda existem poetas e escritores produzindo textos da pandemia. Diz-se que a doença popularizou o debate sobre a estrutura desigual da nossa sociedade. Que apropriação política poderíamos fazer dessa situação?

DK: Cabe aos poetas, escritores e artistas engajar nossas múltiplas crises hoje em seus próprios meios de comunicação e para críticos como nós engajar esse trabalho crítico. É irônico, mas nunca antes as pessoas tiveram mais tempo livre para ler e produzir textos críticos, grandes obras de literatura e discutir ideias, como estamos fazendo agora. Devemos usar esse período histórico de forma produtiva.

Você já escreveu que, na era do tecnocapitalismo, as pessoas são submetidas a um fluxo de informações sem precedentes. A era das redes sociais evidentemente aumentou esse fluxo, e a quarentena fez ainda mais. Até que ponto você estaria interessado em considerar a neurociência como uma ferramenta de estudo cada vez mais importante para estudar o “espectador” da cultura da informação e da mídia na era pós-coronavírus.

DK: Eu não sou especialista em neurociência, mas diria que precisamos estudar como o tecnocapitalismo está reagindo e se modificando nossa realidade, assim como o estado, a cultura, a religião e tudo mais. Estamos em uma época histórica que requer a renovação da teoria crítica e de novas respostas críticas, bem como artísticas, à nossa crise atual. Espero que nossa discussão tenha contribuído para o diálogo crítico sobre a pandemia.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Gabriel RG

A cruzada do fundamentalismo capitalista contra a ciência

Ana Claudino

Seu silêncio não vai proteger você

Amara Moira

Manifestações em tempos de pandemia

Marielle Ramires

Democracia com luta, ou não haverá

Colunista NINJA

Vivemos também uma pandemia de horror

Carina Vitral

Combater o fascismo é uma emergência

SOM.VC

CALL CENTER - Encontros Webnaries Performance and Música

Randolfe Rodrigues

Liberdade de imprensa é valor inalienável da sociedade civil

Dríade Aguiar

O que deveríamos estar fazendo no "Blackout Tuesday"

Fred Maia

Quando a montanha pariu um monstro

transpoetas

Demétrio Campos, presente!

André Barros

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal